Suspeito se declara inocente por atentado no Arizona

Jared Lee Loughner declarou-se na segunda-feira inocente das acusações federais de ter tentado matar uma deputada e dois auxiliares seus neste mês no Arizona.

REUTERS

24 de janeiro de 2011 | 20h57

O ex-universitário de 22 anos é acusado de ter feito disparos contra a democrata Gabrielle Giffords e contra outras pessoas em 8 de janeiro, na frente de um supermercado de Tucson, deixando seis mortos e 13 feridos. Giffords levou um tiro na cabeça, mas sobreviveu.

Usando macacão laranja de presidiário e óculos de aros finos, com o cabelo voltando a crescer após ser raspado, Loughner ficou calado ao ser questionado sobre sua culpa, e sua advogada pediu que constasse que ele se considera inocente.

Pouco antes da audiência, o acusado, algemado, foi visto sorrindo, balançando a cabeça e conversando em voz baixa com sua advogada, Judy Clarke. Ao final da audiência, ela deu um tapinha nas costas de Laughner, que pode ser condenado a 20 anos de prisão pelas três primeiras acusações, relativas à esfera federal.

Esse indiciamento não inclui a morte de dois funcionários públicos no incidente -- o juiz John Roll, que havia parado no supermercado para conversar com Giffords, e Gabe Zimmerman, diretora de relações comunitárias do gabinete da deputada.

Para que Loughner seja indiciado por homicídio, um crime capital, os promotores precisam submeter o caso ao Departamento de Justiça, consultando o secretário Eric Holder sobre a possibilidade de solicitar a pena de morte.

A próxima audiência do processo federal foi marcada para 9 de março.

Promotores dizem que as provas contra Loughner incluem cerca de 250 depoimentos e dezenas de vídeos.

O caso está aos cuidados do juiz Larry Burns, da Califórnia, porque diversos juízes do Arizona se declararam impedidos para julgar um caso que envolve a morte de um colega.

Na semana passada, a deputada Giffords foi transferida para uma clínica de reabilitação no Texas, depois de ser submetida a uma delicada cirurgia em Tucson.

(Reportagem de Tim Gaynor)

Tudo o que sabemos sobre:
EUAARIZONASUSPEITO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.