AP
AP

Suspeitos de Boston usaram receita de bomba de revista da Al-Qaeda, diz FBI

Segundo investigações da polícia, explosivos foram detonados por controle de carro de brinquedo

O Estado de S. Paulo,

25 de abril de 2013 | 07h53

(Atualizada às 11h52) BOSTON, EUA -Os dois irmãos de origem chechena suspeitos pelo atentado na Maratona de Boston, na semana passada, Tamerlan e Dzhokhar Tsarnaev, buscaram informações sobre como construir as duas bombas que mataram três pessoas e feriram outras 164 na revista Inspire - publicação vinculada à rede terrorista Al-Qaeda criada pelo clérigo americano de origem iemenita Anwar al-Awlaki, líder da filial da rede no Iêmen,morto em um ataque de drones dos EUA em 2011.

Veja também:

linkRADAR GLOBAL: Como se pronuncia o nome dos acusados

linkVÍDEO: 'Agências de segurança não podem levar apenas a geopolítica em conta'

Segundo o deputado democrata Dutch Ruppersberger, líder do Comitê de Inteligência da Câmara, funcionários do Departamento de Segurança Interna, do FBI e do Centro Nacional de Contraterrorismo confirmaram essa informação. "O que me diz, e o irmão número dois tem dito, que eles tiveram as informações sobre como construir a bomba na revista Inspire", disse Ruppersberger.

Ainda de acordo com o parlamentar, as bombas, construídas a partir de explosivos e pregos colocados dentro de panelas de pressão, foram detonadas por um controle remoto de carrinhos de brinquedo.  Ruppersberger disse que o artigo sobre a construção da bomba na Inspire tinha como manchete: "Como construir uma bomba na cozinha da sua mãe".

O deputado confirmou também que pelo menos alguns dos explosivos usados no ataque vieram de uma loja de fogos de artifício em New Hampshire. "Um dos irmãos, o irmão mais velho, foi a uma loja em New Hampshire ... e pediu os explosivos mais potentes", disse Ruppersberger.

Rússia. O pai dos dois jovens suspeitos disse nesta quinta-feira que via viajar para os Estados Unidos em breve, mas a mãe ainda não decidiu se fará a mesma coisa. Os pais de Tamerlan e Dzhokhar  voltaram no ano passado para o Daguestão, uma das várias províncias predominantemente muçulmanas do sul da Rússia, onde viveram por um curto período de tempo antes de se mudaram para os EUA, uma década atrás.

Anzor Tsarnaev, disse que o filho permaneceu com ele por três meses em Makhachkala, a capital do Daguestão, além de um mês com parentes, mas não sabe onde o filho esteve no tempo remanescente. Os investigadores tentam saber se Tamerlan se tornou um radical durante sua estada no Cáucaso.

O presidente russo Vladimir Putin disse nesta quinta-feira que o atentado em Boston deve resultar numa cooperação de segurança mais forte entre Moscou e Washington, acrescentando que a ação também mostra que o Ocidente estava errado ao apoiar os militantes da Chechênia.

"Essa tragédia deve nos aproximar para superarmos ameaças comuns, incluindo o terrorismo, que é uma das maiores e mais perigosas", disse Putin, durante seu programa anual na televisão estatal, no qual recebe perguntas pelo telefone.

Putin disse que não se pode tentar encontrar as raízes da tragédia de Boston no sofrimento infligido ao povo checheno, particularmente nas deportações em massa de chechenos para a Sibéria e para a região central da Ásia, durante o governo do ditador soviético Josef Stalin. "A causa não está em sua etnia ou religião, está em sentimentos extremistas", disse ele./ REUTERS E AP

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.