Taxistas de NY entram em greve contra rastreamento obrigatório

Alguns taxistas de Nova York entraramem greve nesta segunda-feira pela segunda vez, por conta de umaexigência municipal para que os táxis tenham sistemas derastreamento e máquinas de pagamento com cartão de crédito, oque, segundo eles, é custoso e invasivo. Bhairavi Desai, diretor-executivo da Taxi Workers Alliance,que organizou a paralisação de 24 horas, disse que milhares demotoristas ficaram em casa e negou relatos de que a maioria dos13 mil taxis da cidade estavam nas ruas. "O que importa é: será que a maioria dos motoristas deperíodo integral aderiram à greve? Eles seguraram a linha? E detodas as informações que estamos obtendo, a resposta é sim",disse Desai a repórteres. Uma greve inicial com dois dias de duração foi realizada emsetembro em protesto contra as novas regras impostas porautoridades municipais, que têm a intenção de beneficiarpassageiros. O novo sistema com tela sensível ao toque permite quepassageiros assistam à televisão, vejam o caminho feito por ummapa e paguem através de cartão de crédito. O sistema foi instalado em quase 4.000 táxis, e todos os 13mil precisam estar certificados até 31 de janeiro, segundoAllan Fromberg, porta-voz da Taxi and Limousine Commission. De acordo com alguns taxistas, o sistema invade aprivacidade dos motoristas, absorve 5 por cento da tarifa totalde uma corrida e esquenta o carro com a energia necessária parao equipamento, causando desconforto. Uma liminar para cancelar o requerimento foi rejeitada nomês passado. (Por Edith Honan)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.