Carlos Barria/Reuters
Carlos Barria/Reuters

Tempestade Ida enfraquece e americanos decidem resistir

Cerca de 30% da produção de petróleo e gás natural do Golfo foi paralisada; 130 morreram em El Salvador

estadao.com.br,

10 Novembro 2009 | 09h13

Os habitantes da costa americana no Golfo do México decidiram enfrentar a tempestade tropical Ida, uma das raras de fim de temporada, que avançava neste terça-feira, 10, pelo litoral com chuvas intensas, ventos fortes e algumas inundações.

 

As autoridades chegaram a instalar alertas de emergência nos Estados de Luisiana, Mississippi, Alabama e Flórida, porém poucas pessoas aceitaram sair de suas casas ou buscar refúgio em outras regiões. A tempestade deixou pelo menos 130 pessoas mortas em El Salvador e fez cerca de 10 mil desabrigados.  

 

A expectativa é que Ida alcance a porção continental dos Estados Unidos ainda nesta terça-feira, de forma mais moderada, já que a velocidade de seus ventos se reduziu para cerca de 80 km/h, divulgou o Centro Nacional para Furacões dos EUA.  

 

Um dos americanos que decidiu ficar em casa é Andrew Abbott. Ele está em uma zona protegida na cidade de Gulf Shores, enquanto a chuva cai nas ruas e as ondas se chocam contra o dique. "Onde estamos, ficaremos bem, esta tormenta não deve ser forte aqui", disse Abbott, acompanhado por seus filhos menores e sua esposa.

 

Rick McClendon, proprietário de uma fábrica de camisetas no Alabama, também disse que ele e outros moradores não estavam dispostos a se mudar. "Não estamos em pânico. Depois do Katrina, é preciso uma tremenda tempestade para nos causar pânico. E não é o caso desta", afirmou.

 

A tempestade, porém, forçou companhias de petróleo a desligar plataformas marítimas e evacuar seus funcionários. Segundo autoridades do setor, 29,6% da produção de petróleo do Golfo e 27,5% da extração de gás natural foram paralisados.

 

(Com informações de Associated Press e Reuters)

Mais conteúdo sobre:
ida tempestade furacão

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.