Tempestade Sandy desliga usinas nucleares nos EUA e mais antiga solta 'alerta'

A tempestade Sandy desacelerou ou desligou várias usinas nucleares nos Estados Unidos, enquanto a mais antiga instalação da nação declarou um raro "alerta" depois que o recorde de subida do nível de água pela tempestade provocou enchentes altas o suficiente para colocar em risco um sistema de refrigeração importante.

SCOTT DISAVINO, Reuters

30 de outubro de 2012 | 13h24

A usina New Jersey Oyster Creek da Exelon Corp, de 43 anos, permanece em estado de "alerta", disse a Comissão Regulatória Nuclear dos EUA (NRC) nesta terça-feira. É apenas a terceira vez este ano que o segundo nível mais baixo de quatro níveis de ação de emergência foi acionado.

O alerta veio depois que os níveis de água na usina subiram mais de 6,5 pé (2 metros) acima do normal, afetando potencialmente a "estrutura de consumo de água" que bombeia água resfriada na usina, informou um porta-voz da NRC.

Essas bombas não são essenciais desde que o reator foi desligado para um reabastecimento planejado desde 22 de outubro. No entanto, um novo aumento para 7 pés poderia submergir o motor da bomba de água que é usado para esfriar a água no tanque de combustível irradiado, potencialmente forçando-o a usar o abastecimento de água de emergência do sistema de extinção de incêndio interno para impedir um sobreaquecimento.

Na terça-feira, um porta-voz da NRC disse que os níveis atingiram um pico de 7,4 pés -- aparentemente acima do limite. Às 6h10 (horário local), o nível da água estava em 6,5 pés, com a próxima maré alta prevista para 11h45. Ele informou que a empresa tinha movido uma bomba portátil para a estrutura de consumo de água como medida de precaução, mas ainda não precisou usá-la.

A Exelon afirmou em comunicado que não havia risco aos equipamentos e nenhuma ameaça à saúde pública ou segurança.

"Neste momento, não há nenhuma ameaça iminente de vazamentos. Não há ações de proteção ao redor da planta", disse o Administrador da Agência Federal de Gerenciamento de Emergência Craig Fugate ao programa Today Show.

"Algumas dessas exigências de prestar informações se devem à gravidade das tempestades. Eles terem de fazer essas notificações com base nas condições não significa que estão em uma ameaça iminente na usina", disse Fugate.

O incidente em Oyster Creek, que está a cerca de 95 quilômetros a leste da Filadélfia na costa de Nova Jersey, aconteceu quando a Sandy atingiu terra como a maior tempestade do Atlântico de todos os tempos, trazendo ventos de até 129 quilômetros por hora e aumento no nível de água de 13 pés no maior teste para a preparação de emergência da indústria desde o desastre de Fukushima no Japão, há um ano e meio.

Apesar do alerta --que é um evento grave, mas não catastrófico, que sinaliza uma "potencial degradação substancial do nível de segurança"-- a indústria nuclear dos EUA era amplamente considerada como tendo passado no teste. Cerca de uma dúzia de alertas foram emitidos nos últimos quatro anos, segundo a NRC.

Na manhã desta terça-feira, a NRC disse que a Indian Point 3 da Entergy Corp automaticamente foi desligada por volta das 10h41 (horário local) da noite de segunda-feira devido a oscilações na rede elétrica, causadas pela tempestade. A Salem Unit 1 da Public Service Enterprise Group Inc foi desligada manualmente às 1h10, devido a uma perda de "circuladores de condensador" por causa da tempestade e detritos.

Tudo o que sabemos sobre:
EUASANDYUSINASDESLIGADAS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.