Tempestade tropical Don se forma no Golfo do México

A tempestade tropical Don, a quarta na atual temporada de furacões no Atlântico, se formou nesta quarta-feira na parte sul do Golfo do México, uma região de intensa produção petrolífera, informou o Centro Nacional de Furacões dos Estados Unidos (NHC).

REUTERS

27 de julho de 2011 | 19h33

A tempestade obrigou várias empresas de petróleo a retirar operários de apoio de algumas instalações na região, mas ainda não é forte o bastante para causar o fechamento de produção.

O centro da tempestade deve se deslocar pelo sul e centro do Golfo do México até quinta-feira, disse o NHC.

Pelo caminho previsto, a Don passaria perto de instalações de petróleo e gás na parte oeste e centro-oeste do Golfo, sem atingir os locais de maior concentração de plataformas de produção, ao sul de Nova Orleans, mas passando perto de várias refinarias.

Shell, Apache, Anadarko e BHP Billiton disseram que retiraram funcionários de apoio de algumas de suas instalações no Golfo.

"Se a tempestade continuar a se movimentar na direção de nossas instalações, estamos preparados para retirar mais pessoas e suspender a produção", disse a Anadarko.

A tempestade representa uma ameaça à região que abriga milhares de plataformas de extração de petróleo e gás, sendo responsável por 29 por cento da produção petrolífera dos EUA e mais de 10 por cento do gás natural de produção doméstica.

Não há risco, no entanto, de atingir o solo. Por volta de 18h (de Brasília) da quarta-feira, a Don estava se deslocando em sentido oeste-noroeste a cerca de 19 km/h.

De acordo com o relatório do NHC, uma aeronave da Força Aérea que caça furacões está monitorando a tempestade.

A tempestade Don acontece após a passagem da tempestade Cindy, que se manteve distante da terra e perdeu suas características de ciclone no fim de semana.

Tudo o que sabemos sobre:
EUATEMPESTADEGOLFO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.