Denis Balibouse / Reuters
Denis Balibouse / Reuters

Teste de mísseis norte-coreanos falhou 'quase imediatamente', dizem EUA

Lançamento ocorreu um dia depois de parada militar em Pyongyang

O Estado de S. Paulo

15 Abril 2017 | 21h00

Um míssil balístico norte-coreano "explodiu quase imediatamente" depois de ter sido lançado na manhã deste domingo, 16 (noite de sábado, no horário de Brasília), disseram autoridades militares dos Estados Unidos, menos de um dia depois de o líder Kim Jong Un ter desfilado um míssil balístico de longo alcance nunca antes visto pelas ruas de Pyongyang.

O míssil de tamanho médio foi lançado às 5h51 da manhã de Seul em Sinpo, um local na costa leste da Coreia do Norte, onde tem um estaleiro e que ano passado afirmou-se ter testado um míssil balístico lançado por submarinos, disse o comandante Dave Benham, porta-voz do Comando do Pacífico dos EUA no Havaí.

Benham disse que o tipo de míssil que foi disparado domingo ainda estava sendo avaliado. Os chefes de Estado Maior da Coreia do Sul, que confirmaram o fracasso do lançamento, também disseram que estavam trabalhando na análise do tipo de míssil. A explosão aconteceu entre 4 e 5 segundos após o lançamento. 

Um alto funcionário dos EUA disse ao The Wall Street Journal que o projétil não era um míssil balístico intercontinental. O lançamento foi visto como um sinal da determinação da Coreia do Norte de levar adiante seu programa de armas mesmo depois de o presidente dos EUA, Donald Trump, ter alertado Pyongyang contra qualquer comportamento belicoso e de os EUA enviarem um grupo de porta-aviões para as águas ao redor da Península Coreana.

"O presidente e sua equipe militar estão cientes do lançamento de mísseis mais recente da Coreia do Norte sem sucesso", disse o secretário de Defesa, Jim Mattis, em um comunicado. "O presidente não tem mais comentários."

A Coreia do Norte fez cinco testes nucleares, sendo dois no ano passado. Imagens de satélites do país mostram que há possibilidade de novos testes a qualquer momento. /AGÊNCIAS INTERNACIONAIS

 

Mais conteúdo sobre:
Tensão Coreia do Norte Estados Unidos

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.