Mel Evans/AP
Mel Evans/AP

Transporte melhora em Nova York após caos por causa do furacão Sandy

Dezenas de milhares de moradias e empresas continuam sem eletricidade em partes de NY e New Jersey

Reuters

12 de novembro de 2012 | 18h01

NOVA YORK - A chegada de trabalhadores a Nova York na manhã desta segunda-feira, 12, duas semanas depois da supertempestade Sandy, foi atenuada pelo movimento reduzido em razão de um feriado, pela retomada de alguns serviços ferroviários e pela aguardada abertura do último túnel que ainda estava interditado.

Dezenas de milhares de moradias e empresas continuam sem eletricidade em partes de Nova York e New Jersey, mas na manhã desta segunda-feira a maioria dos residentes afetados em outras áreas já tinha a situação energética normalizada. Algumas casas, no entanto, continuavam sem telefone, internet nem televisão, por causa de danos nos equipamentos e fiações.

Pelo menos 121 pessoas morreram na América do Norte em decorrência da tempestade, que causou prejuízos estimados em cerca de 50 bilhões de dólares, tornando-se um dos mais destrutivos desastres da história no Nordeste dos Estados Unidos. O governador de Nova York, Andrew Cuomo, deve solicitar 30 bilhões de dólares em ajuda federal para a reconstrução da cidade de Nova York, de Long Island e de outras regiões devastadas do Estado. O presidente norte-americano, Barack Obama, deve visitar as áreas atingidas na quinta-feira.

Por questões relativas à cobertura dos seguros, há uma discussão em curso sobre a classificação do Sandy como um "ciclone pós-tropical" ao chegar à costa do país em 29 de outubro, depois de devastar o Caribe como furacão. O senador Charles Schumer disse que alterar a classificação de ciclone para furacão iria "elevar em dezenas de milhares de dólares as franquias a serem pagas pelos proprietários dos imóveis". Ele pediu ao Serviço Meteorológico Nacional que resista à pressão das seguradoras para fazer a alteração.

No primeiro dia útil da semana, o estresse nos transportes públicos diminuiu um pouco graças à reabertura do túnel Hugh Carey-Brooklyn Battery, apenas para ônibus, e a retomada da circulação dos trens em duas linhas em Nova York e Long Island. A linha que liga New Jersey à estação Penn, em Nova York, continua com serviço limitado. "Eu estava realmente com medo da superlotação hoje, mas o trem estava meio cheio", disse Anne O'Malley, 46 anos, executiva de marketing que viaja diariamente de Maplewood, em Nova Jersey, para Nova York.

O trajeto normalmente leva duas horas, mas desde a passagem do Sandy ela estava demorando o dobro. Nesta segunda-feira, o tempo de deslocamento voltou a ficar próximo do normal. O feriado federal do Dia dos Veteranos também contribuiu para que o trânsito melhorasse.

Tudo o que sabemos sobre:
furacão SandyEUANova YorkNew Jersey

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.