Três morrem em tiroteio na Universidade do Alabama

Suspeita de ter feito os disparos já está sob custódia; mais três pessoas ficaram feridas

Associated Press e Reuters,

12 de fevereiro de 2010 | 20h59

Duas vítimas do tiroteio são levadas para uma ambulância. Foto:Robin Conn/AP

 

ALABAMA- Três pessoas morreram nesta sexta-feira, 12, e outras três ficaram feridas em um tiroteio na Universidade do Alabama, em Huntsville, no sul dos Estados Unidos.

 

Segundo Ray Gardner, porta-voz da instituição, a suspeita já está presa, e outra pessoa está detida para ser interrogada. Gardner acrescentou que as vítimas fatais são dois membros da faculdade e um empregado do local. Não houve estudantes envolvidos.

 

Trent Willis, chefe da equipe do prefeito de Huntsville, Tommy Battle, disse que várias outras pessoas foram atingidas pelos disparos além das quatro que Garner reportou, mas Willis afirmou que não tinha um número exato de vítimas, ou mais detalhes sobre suas condições.

 

O porta-voz do hospital de Huntsville, Burr Ingram, afirmou que o hospital estava tratando três vítimas. Dois estavam em estado crítico, e um em estado estável. Não ficou claro se os três incluíam a pessoa ferida que oficiais já haviam anunciado.

 

O tiroteio ocorreu pouco antes das 16h local (19h de Brasília). "Eu ouvi três tiros e gritos", disse Melanie Gates, uma estudante de engenharia do campus. Ela estava perto da saída de uma sala onde estava ocorrendo uma reunião da faculdade de biologia, quando ouviu os tiros.

 

O campus de Hutsville tem cerca de 7.500 estudantes. A universidade publicou uma mensagem em seu website na tarde de sexta comunicando que o campus estava fechado na noite de sexta e todos os universitários deveriam ficar em suas casas.

 

Este é o segundo tiroteio em uma semana em uma área próxima do campus. Na última sexta, uma estudante de 14 anos foi morta em uma escola perto de Madison, supostamente por um colega.

 

Tudo o que sabemos sobre:
tiroteiouniversidadeAlabma

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.