Três são acusados de racismo por marcar suástica em homem nos EUA

Marcação foi feita com cabide de metal aquecido em deficiente mental que consentiu a agressão

AP,

12 de novembro de 2010 | 23h02

ALBUQUERQUE, EUA- Três homens brancos do Novo México que marcaram uma suástica no braço de um deficiente mental usando um cabide de metal aquecido foram acusados de conspirar e violar uma lei contra crimes de racismo.

 

Segundo a acusação, Paul Beebe, 26 anos, William Hatch, 29, e and Jesse Sanford, 25, também rasparam uma suástica na parte de trás da cabeça de um homem de 22 anos e usaram marca-textos para escrever em seu corpo "KKK", em referência ao Ku Klux Klan, e "White Power".

 

Os três acusados teriam feito um vídeo no celular no qual a vítima, que tem problemas mentais, consentiu que fosse marcado com a suástica.

 

De acordo com a lei do estado, crimes de racismo podem ter no máximo dez anos de cadeia, mas neste caso a pena pode ser maior, porque a vítima foi confinada contra sua vontade, o que caracteriza sequestro.

Tudo o que sabemos sobre:
racismosuásticaNovo MéxicoEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.