Tropas do Canadá ficarão no Afeganistão após fim da missão de combate

950 soldados canadenses assumirão papel de instrutores das tropas afegãs a partir de 2011

16 de novembro de 2010 | 19h04

TORONTO- O governo do Canadá confirmou nesta terça-feira, 16, que os 950 soldados mobilizados no Afeganistão irão permanecer no país com o papel de instrutores depois que a missão de combate canadense terminar em 2011.

 

Veja também:

linkEUA propõem passar segurança ao Afeganistão até 2014

 

O ministro de Relações Exteriores canadense Lawrence Cannon disse que eles continuarão na região de Cabul até 2014. A permanência pode ajudar uma crítica escassez de instrutores das forças da Otan.

 

Segundo o comandante da missão de treinamento da coalizão, o general William Caldwell, a aliança atlântica carece de 900 militares para desempenhar funções de treinamento.

 

O primeiro-ministro canadense, Stephen Harper, afirmou que os treinamentos serão restritos a bases militares. "Essa missão que estamos autorizando a continuar não permite o combate. Nossos soldados estarão treinando as forças afegãs em bases e salas de aula".

 

"Nossas forças canadenses servem no Afeganistão há quase dez anos, eles sofreram várias casualidades, é importantes honrarmos o sacrifício que fizeram e consolidar as vitórias que tiveram", acrescentou o premiê.

 

As tropas canadenses assumiram a responsabilidade pela província de Kandahar em 2005 e sofreram baixas que alarmaram o país, desacostumado a ter soldados em combate.

 

Mais de 150 soldados canadenses morreram e mais de 1.500 ficaram feridos desde a primeira vez que o Canadá mandou tropas para apoiar a invasão americana ao Afeganistão, ocorrida após os ataques de 11 de setembro de 2001. O país sofreu o maior número de baixas militares per capta de todos os membros da aliança atlântica.

 

O Parlamento decidiu que a missão de combate em Kandahar terminará em 2011. Harper disse que o país foi pressionado pelos membros da Otan para continuar combatendo, mas que o máximo que poderia fazer seria assumir um papel de treinamento.

Tudo o que sabemos sobre:
CanadáAfeganistãoOtanKandahar

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.