Últimos presos jordanianos em Guantánamo voltam para casa

Pentágono afirma que libertação demonstra o 'desejo dos EUA de não reter por mais tempo que o necessário'

Efe,

11 de novembro de 2007 | 12h28

Os três últimos reclusos jordanianos que estavam na prisão de Guantánamo, em Cuba, voltaram neste domingo, 11, para casa, depois que o governo da Jordânia terminou as gestões legais pertinentes, afirmou o porta-voz do Gabinete jordaniano, Nasser Judeh. Os presos, identificados como Osama Abu Kabir, Ahmed Suleiman e Ibrahim Zeidan, foram entregues pelas autoridades americanas às jordanianas em 3 de novembro. Judeh disse que os três libertados foram submetidos na semana passada a exames médicos e que estão em bom estado de saúde. Segundo o Pentágono, os três detidos jordanianos foram enviados a seu país como "demonstração do desejo dos Estados Unidos de não reter prisioneiros por mais tempo que o necessário". Os Estados Unidos começaram em janeiro de 2002 a reclusão em sua base naval da baía de Guantánamo de centenas de pessoas capturadas em diversos países que, supostamente, eram terroristas.

Tudo o que sabemos sobre:
PentágonoJordâniaGuantánamo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.