Kelly Guenther/NYT
Kelly Guenther/NYT

United volta a adotar números de voos do Onze de Setembro

Segundo companhia, uso foi acidental; números dos voos 93 e 175 não serão mais utilizados

REUTERS

18 de maio de 2011 | 17h33

CHICAGO - A companhia aérea United Airlines voltou a usar temporariamente os números dos voos sequestrados nos ataques de 11 de Setembro, mas disse nesta quarta-feira, 18, que a ação foi acidental e que eles não serão mais usados.

"Estamos tomando ações imediatas para removê-los e nos desculpar pelo erro", disse um porta-voz da United. Os números 93 e 175 foram, por engano, designados para dois voos da Continental Airlines, que teve uma fusão com a United.

A United se recusou a explicar como os números voltaram a ser utilizados para voos. Funcionários sindicalizados pediram para a companhia retirar permanentemente os números, enquanto pilotos disseram que a ação mostrou "falta de sensibilidade".

 

Atentados em 2001

 

Em 2001, o voo 175, um Boeing 767, decolou de Boston e foi um dos dois aviões a atingir o World Trade Center, em Nova York. Já o voo 93, um Boeing 757, decolou do Aeroporto Internacional Newark, em Nova Jersey, e caiu em uma fazenda na Pensilvânia. Investigadores acreditam que os sequestradores queriam atingir o Capitólio ou a Casa Branca.

Os dois outros aviões usados para o ataque foram da American Airlines. O voo 11, um 767 procedente de Boston, atingiu o World Trade Center, e o voo 77 de Washington caiu sobre o Pentágono.

A AMR, companhia que controla a American Airlines, retirou os números de uso há muito tempo. Outras companhias áreas, no entanto, continuam usando todos esses números para os seus voos.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAUNITEDVOOS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.