Vaticano condena plano de queimar Corão

Ideia é de pastor evangélico americano para lembrar os ataques terroristas de 11 de setembro

Efe

08 Setembro 2010 | 12h03

CIDADE DO VATICANO - O Vaticano criticou a ideia do pastor Terry Jones, do estado americano da Flórida, de queimar cópias do Corão e classificou-a como um "ultraje a um livro considerado sagrado" por uma comunidade religiosa.

 

Veja também:

linkPastor quer por ideia em prática mesmo sob críticas

linkJudeus alemães condenam ideia do pastor

linkCasa Branca tenta impedir queima do Corão

 

O Conselho Pontifício para o Diálogo Interreligioso afirmou em comunicado que "ouviu com viva preocupação a notícia da proposta de 'Dia da Queima do Corão' para o 11 de setembro, aniversário dos trágicos ataques terroristas de 2001 que causaram numerosas vítimas inocentes e enormes danos materiais".

 

A entidade comunicou que a difamação de um símbolo sagrado de outra religião não é uma forma louvável para fazer uma crítica. "Não se pode solucionar aquele desprezível ato de violência contrapondo um gesto de grave ultraje ao livro considerado sagrado por uma comunidade religiosa", diz o comunicado.

 

Para o Conselho Pontifício, "cada religião, com seus respectivos livros sagrados, lugares de culto e símbolos têm direito ao respeito e à proteção. Trata-se do respeito devido à dignidade das pessoas e a sua liberdade de escolha em matéria religiosa".

 

Todos os responsáveis religiosos e todos os crentes "estão convocados a renovar a condenação de cada forma de violência, em particular aquela realizada em nome da religião", acrescenta.

 

O Conselho para o Diálogo Interreligioso sustenta que "a necessária reflexão que se impõe a todos na lembrança do 11 de setembro, renova, sobretudo, nosso sentimento de profunda solidariedade com todos os que foram abalados pelos horrendos ataques terroristas".

 

Os pastor Jones disse que prosseguirá com a iniciativa de queimar exemplares do Corão mesmo com a oposição da Casa Branca e dos militares americanos. Em 2009, Jones distribuiu camisetas com o mesmo título impresso e iniciou uma espécie de "doutrinação eletrônica", com a criação de um blog e de um grupo na rede social Facebook, além de alimentar a página que já mantinha na internet.

Mais conteúdo sobre:
Corãoislamismo11 de setembro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.