Veja cronologia do caso Watergate

Agente do FBI Mark Felt passou informações que resultaram na queda de Richard Nixon em 1974

Agências internacionais,

19 de dezembro de 2008 | 13h24

  Mark Felt participa de programa de televisão em 1976. Foto:AP   WASHINGTON - Mark Felt, ex-segundo-em-comando do FBI (a polícia federal dos Estados Unidos), que se tornou conhecido como o informante "Garganta Profunda" por ter passado informações cruciais aos jornalistas que revelaram o escândalo de Watergate morreu nesta sexta-feira, 19, aos 95 anos na Califórnia. Sua identidade foi revelada há três anos em um artigo na revista Vanity Fair.      O artigo de John O'Connor revelou a identidade de um homem que estava no centro de uma das tramas políticas mais dramáticas do século 20. Felt teria insistido no anonimato quando passou informações sobre o presidente Richard Nixon e seus assessores aos jornalistas Bob Woodward e Carl Bernstein, do jornal americano Washington Post. A série de reportagens do jornal americano sobre o tema pressionou Nixon, que acabou renunciando ao cargo em 1974, em um episódio sem precedentes na história americana.   Durante mais de 30 anos, Felt negou envolvimento no vazamento de informações sobre a ligação entre a Casa Branca e a colocação de escutas nos escritórios do Partido Democrata em Washington durante a campanha eleitoral de 1972.  Mas em 2005, Felt disse a John O'Connor que era o homem a quem os jornalistas chamavam de 'Garganta Profunda'. Veja a cronologia do caso:   A CRONOLOGIA DO CASO   JUNHO DE 1972 Cinco homens são presos por volta das 2h30 tentando instalar aparelhos de escuta na sede nacional do Partido Democrata, em Washington. Um dos detidos afirma que costumava fazer trabalhos para a Agência Central de Inteligência (CIA).   AGOSTO DE 1972 O presidente Richard Nixon, do Partido Republicano, diz que ninguém da Casa Branca está envolvido.   NOVEMBRO DE 1972 Apesar das primeiras denúncias feitas pelo Washington Post, Nixon é reeleito. Os invasores do Watergate são condenados pela Justiça.   FEVEREIRO DE 1973 Senado inicia investigação sobre o caso.   ABRIL DE 1973 Três dos principais assessores do presidente Nixon renunciam em meio a suspeitas de envolvimento no caso. A Casa Branca comunica que Nixon não sabia da invasão.   MARÇO DE 1974 Sete dos principais assessores de Nixon, incluindo o secretário de Justiça, John Mitchell, são indiciados por obstrução da Justiça   9 DE MAIO DE 1974 Começa o processo de impeachment de Nixon pelo Congresso. A Suprema Corte ordena que ele entregue gravações de conversas em seu gabinete. As fitas, embora parcialmente apagadas, provam que Nixon planejara a interrupção das investigações do FBI.   9 DE AGOSTO DE 1974 Nixon renuncia. O vice Gerald Ford assume a presidência.     PONTO A PONTO Nixon tentou obstruir as investigações    INVESTIGAÇÃO: O caso Watergate é resultado de uma série de reportagens dos jornalistas Carl Bernstein e Bob Woodward, do ‘Washington Post’.   EDIFÍCIO: Watergate era o nome do edifício-sede do Partido Democrata, em Washington, invadido por homens que pretendiam instalar aparelhos de escuta telefônica.   OBSTRUÇÃO: As reportagens mostraram que o presidente Richard Nixon, do Partido Republicano, tentou obstruir a Justiça na investigação. Ele estava em campanha para a reeleição e seu rival era o democrata George McGovern.   RENÚNCIA: Para evitar ser destituído, Nixon renunciou em 9 de agosto de 1974.   (Com BBC Brasil e O Estado de S. Paulo)

Tudo o que sabemos sobre:
WatergateGarganta Profunda

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.