Veteranos do Iraque e do Afeganistão processam EUA

Segundo eles, governo vem negando pensão por invalidez e tratamento para problemas mentais

Efe,

24 Julho 2007 | 01h27

Milhares de veteranos das guerras do Iraque e do Afeganistão apresentaram nesta segunda-feira um processo contra o governo dos Estados Unidos, a quem acusam de lhes negar pensão por invalidez e tratamento para problemas mentais.   Segundo o processo apresentado num tribunal federal em San Francisco (Califórnia), o Departamento de Veteranos de Guerra ficou sobrecarregado com milhares e milhares de pedidos de tratamento que não pôde atender. Por isso, "milhares de homens e mulheres que sofreram graves ferimentos nas guerras estão sendo abandonados", de acordo com o processo.   Mais de 1,5 milhão de soldados participaram de conflitos no Iraque e no Afeganistão desde que começaram, em 2001.   Segundo os documentos apresentados no tribunal, o principal acusado é o secretário dos EUA para assuntos relacionados a ex-combatentes, Jim Nicholson, que teria violado a lei ao negar aos veteranos tratamento para seus problemas de invalidez e de saúde mental.   Nicholson anunciou na semana passada que abandonará o cargo em outubro, após estar no centro das críticas aos problemas no atendimento de soldados no hospital militar Walter Reed.   O processo afirma que o Departamento não liberou benefícios por invalidez de maneira oportuna, não aumentou o número de funcionários para acelerar o atendimento médico e não melhorou o tratamento dos transtornos de estresse pós-traumáticos causados pela guerra.   Além disso, sustenta que o atraso no processamento de pedidos de pensão e no atendimento médico e psicológico já passa dos 600 mil e que muitos veteranos de guerra morreram sem que seus problemas fossem resolvidos.   O processo foi apresentado por duas organizações de veteranos de guerra que têm cerca de 12 mil membros.   "A menos que medidas drásticas sejam imediatamente tomadas, o custo para estes veteranos e suas famílias será incalculável", destacou.   O documento afirmou que o resultado destes problemas será "uma nova geração de veteranos de guerra desempregados e sem lar, mais consumo de drogas e alcoolismo, e uma carga sufocante sobre o sistema de saúde e outros serviços sociais".   As críticas   O Departamento de Veteranos de Guerra esteve no centro das criticas depois que um veículo de comunicação denunciou que soldados feridos nos conflitos não recebiam atendimento médico adequado no centro médico Walter Reed do Exército em Washington.   Um tribunal de apelações de San Francisco também criticou duramente o departamento e ordenou que pagasse benefícios retroativos a soldados que participaram da Guerra do Vietnã e contraíram uma forma de leucemia, devido ao contato com o Agente Laranja.   O Agente Laranja foi o nome de um herbicida que as forças americanas utilizaram durante o conflito do Vietnã para desfolhar a floresta e descobrir os esconderijos das forças inimigas.   "O trabalho do Departamento de Veteranos de Guerra dos EUA contribuiu de maneira substancial para nossa vergonha nacional", afirmou o tribunal.   Fontes judiciais disseram que o processo contra o Departamento de Veteranos de Guerra não tenta formular uma declaração política de apoio ou rejeição ao conflito no Iraque.   A idéia é exercer pressão para que medidas imediatas sejam tomadas e os problemas sejam resolvidos, disseram.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.