Vídeo faz prostituta pivô de escândalo em NY perder US$1 mi

Empresa descobre imagens de Kristen e retira proposta milionária para participar de programa de TV erótico

Agências internacionais,

19 de março de 2008 | 14h49

A atraente prostituta que tinha como um de seus clientes o agora ex-governador de Nova York Eliot Spitzer teve a proposta de US$ 1 milhão (R$ 1,7 milhão) para que ela aparecesse vestida nas páginas centrais da nova revista de sua empresa e ela participasse de uma excursão no ônibus da Girls Gone Wild. Isso porque descobriu-se que Ashley Alexandra Dupré, conhecida como Kristen, participou de um dos episódios de uma série erótica do programa quando tinha 18 anos, segundo o fundador da empresa de vídeos, Joe Francis.    Veja também: Pivô da crise de Spitzer 'não quer ser considerada um monstro' Novo governador promete 'encaminhar' NY Família vive drama à espera da Andréia Sucesso da pivô do escândalo de Spitzer dispara na web Escândalos sexuais na política americana Veja as imagens    Um dos assistentes de Francis sugeriu que, antes de se enviar o cheque para a garota, fosse feita uma pesquisa nos arquivos da empresa. E Ashley aparecia em um dos vídeos. "Economizei um milhão de dólares", disse Francis na terça-feira. "É como encontrar um bilhete de loteria premiado entre as almofadas do sofá." Francis explicou que, após localizar o vídeo, cancelou a proposta. O advogado de Ashley, Don B. Buchwald, se negou a comentar o caso.   Segundo uma nota divulgada pela Girls Gone Wild, Ashley visitou Miami em 2003 para comemorar seu aniversário de 18 anos. Depois de brigar com uma amiga e ser expulsa de um hotel, ela encontrou o ônibus da Girls Gone Wild e passou uma semana posando com pouca roupa e simulando cenas de lesbianismo.   O programa de TV se caracteriza por filmar festas protagonizadas por jovens atraentes, nas quais as meninas não têm qualquer pudor em mostrar perante as câmeras partes de seu corpo ou aparecer em atitudes provocativas e de teor sexual.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.