83% dos colombianos aprovam terceiro mandato de Uribe

Pesquisa aponta também que 73% da população avalia positivamente atual gestão do presidente

estadao.com.br,

17 de dezembro de 2009 | 13h26

Uma eventual segunda reeleição de Álvaro Uribe para a presidência da Colômbia é apoiada por 83% dos colombianos, aponta uma pesquisa divulgada nesta quinta-feira, 17, pelo jornal El Tiempo, segundo a agência AFP.

 

A possível candidatura de Uribe, não confirmada nem rejeitada publicamente, depende de um referendo para reformar a Constituição que ainda deve ser convocado pela Corte Constitucional, que avalia se a nova lei não fere a Constituição. As eleições colombianas ocorrerão no fim de maio de 2010.

 

A pesquisa indica que 68% dos colombianos têm uma imagem positiva de Uribe e 73% aprovam sua gestão. O levantamento também colheu dados sobre o recente acordo de bases militares entre o governo e os EUA, que é visto positivamente por 70% dos eleitores.

 

A opinião favorável a Uribe aumentou quatro pontos percentuais nos últimos dois meses, enquanto que a desfavorável recuou três pontos. A aprovação de Uribe também subiu quatro pontos, enquanto que a desaprovação diminuiu três. As pesquisas são realizadas de dois em dois meses no país.

 

O estudo, que contemplou a opinião de mil eleitores nas quatro principais cidades do país dentre 9 e 13 de dezembro, indica que o ex-ministro da Defesa, Juan Manuel santos, é o político que registra maior opinião favorável, com 59%. Santos é seguido pelo ex-prefeito de Bogotá, Antanas Mockus, com 58%, e a ex-embaixadora e pré-candidata presidencial pelo Partido Conservador, Noemi Sanín, com 56%.

 

A pesquisa afirma também que o presidente dos EUA, Barack Obama, é o mandatário estrangeiro com melhor opinião favorável entre os colombianos (64%), enquanto o chefe da vizinha Venezuela, Hugo Chávez, tem o pior índice (5%).

Tudo o que sabemos sobre:
UribeColômbiapesquisareeleição

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.