85 fogem de prisão mexicana perto dos EUA

Um grupo de 85 presos, a maioria ligados a cartéis de drogas, fugiu na sexta-feira de uma prisão mexicana próxima à fronteira com os Estados Unidos, disseram autoridades e a imprensa.

REUTERS

10 de setembro de 2010 | 19h34

Os presos pularam a muralha da penitenciária de Reynosa, que fica junto à cidade texana de McAllen, nas primeiras horas da manhã de sexta-feira, segundo a imprensa local. O Ministério Público confirmou a fuga, mas não deu mais detalhes.

A polícia prendeu mais de 40 funcionários prisionais que estavam de plantão na hora da fuga, e dois carcereiros estão desaparecidos, segundo uma rádio e o jornal El Norte.

Em julho, autoridades do Estado de Durango descobriram que funcionários prisionais permitiam que os detentos deixassem as prisões para cometer vinganças contra inimigos.

O presidente Felipe Calderón, envolvido numa feroz batalha contra quadrilhas de narcotraficantes, promete acabar com a corrupção nas cadeias, onde no passado chefes do crime organizado viviam luxuosamente, ou fugiam quando desejavam.

Mas o presidente conservador tem tido dificuldades para controlar a corrupção e o banditismo no sistema carcerário.

Calderón está sob enorme pressão para controlar a violência ligada à luta contra os traficantes, e a disputas entre os cartéis, que já mataram mais de 28 mil pessoas desde o final de 2006. O governo diz que a atual onda de violência é um reflexo do enfraquecimento dos cartéis.

Na quinta-feira, pistoleiros invadiram várias casas em Ciudad Juarez, num aparente ajuste de contas entre traficantes, matando 25 pessoas. Em outro incidente no mesmo dia e na mesma cidade, quatro transeuntes morreram num tiroteio no meio de um congestionamento. Foi o dia mais violento nessa importante cidade fronteiriça desde janeiro de 2008, quando começou essa fase de assassinatos.

Na semana passada, a secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, disse que a situação do México começa a lembrar a da Colômbia há 20 anos, quando os cartéis da droga dominavam certas partes do país. O presidente norte-americano, Barack Obama, rejeitou a comparação.

A violência afasta turistas e investidores do México, que tenta se recuperar da sua pior recessão em quase 80 anos. Cidades voltadas para a exportação são particularmente afetadas. Ciudad Juarez, por exemplo, perdeu 75 mil empregos industriais no ano passado.

(Reportagem de Robin Emmott em Monterrey, e Julian Cardona em Ciudad Juarez)

Tudo o que sabemos sobre:
MEXICOPRESOSFOGEM*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.