Arte/estadao.com.br
Arte/estadao.com.br

Abalado por surto de gripe suína, México sofre terremoto

Epicentro do tremor de 6 graus na escala Richter fica a 230 km da capital mexicana; não há sinais de estragos

Efe e Reuters,

27 de abril de 2009 | 14h06

Um forte terremoto de 6 graus na escala Richter sacudiu nesta segunda-feira, 27, a capital mexicana, já abalada por um alerta sanitário devido à gripe suína. O terremoto aconteceu no momento em que o ministro da Saúde, José Ángel Córdova, se pronunciava em uma coletiva de imprensa sobre a situação de saúde no país.

 

Veja também

linkCasal é internado em MG com suspeita de gripe suína

linkCom na Espanha, gripe suína chega à Europa

linkOMS discute gripe suína e UE convoca reunião

linkEstado de emergência é 'precaução', diz Obama

linkNão há evidências de casos no Brasil

linkEUA declaram emergência de saúde pública

lista Entenda a doença e saiba como ela é transmitida

mais imagens Galeria: Gripe suína 

 

Segundo o centro de monitoramento de terremotos dos EUA, o epicentro do terremoto fica no Estado de Guerrero, a 30 km da cidade de Chilpancingo e a 80 km do balneário de Acapulco e a 230 km ao sul da capital federal.

 

 Fontes de Defesa Civil da Cidade do México disseram que até o momento "não se tem informações sobre danos pessoais nem materiais" na capital.   No entanto, muitas pessoas saíram dos prédios em que estavam assustadas pelo tremor.

 

Devido ao sismo, às 11h48 (13h48, Brasília) foram interrompidas as atividades no Aeroporto Internacional da Cidade do México, "para verificar se as pistas estavam em bom estado", segundo fontes aeroportuárias.    Pouco mais de 13 minutos após foram reatadas as operações, depois que foram afetados com atrasos 14 voos, dos quais três foram desviados a aeroportos alternativos.

 

Medo entre a população

 

O terremoto atingiu uma cidade já abalada pelo surto de gripe suína que pode ter matado até 149 pessoas no país. "Estou assustada", disse Sara Luna Pajas, uma assistente social de 22 anos  após deixar seu escritório. "Não estamos acostumados a tantas tragédias aqui no México: crise econômica, esta doença e agora isto. Parece o Apocalipse".

 

Harold Gutierrez, 21 anos, colega de trabalho de Sara, disse que o país se apoia na fé, mas diz partilhar da sensação que o mundo pode estar acabando. "Se é o fim do mundo, este é o plano de Deus", disse. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.