Ação de Honduras contra embaixada seria um desastre, diz ONU

Secretário do órgão critica ameaças do governo deposto à representação brasileira, onde Zelaya está abrigado

estadao.com.br,

28 de setembro de 2009 | 17h55

Apoiadores de Manuel Zelaya protestam em Tegucigalpa. Foto: Wilson Pedrosa/AE

 

NOVA YORK - Uma ação do governo de facto hondurenho que desrespeite a inviolabilidade da Embaixada brasileira em Tegucigalpa, onde se refugia o presidente deposto Manuel Zelaya, seria um "desastre", advertiu nesta segunda-feira, 28, o secretário adjunto da ONU encarregado de assuntos políticos, Lynn Pascoe, segundo a agência France Presse. Em entrevista coletiva, ele avaliou como uma "séria mudança negativa" o ultimato dado pela administração Roberto Micheletti para o Brasil no fim de semana, que pede o País defina a situação de Zelaya em dez dias, sob o risco da Embaixada perder seus direitos diplomáticos.

 

Veja também:

linkEUA qualificam volta de Zelaya de 'irresponsável'

linkOEA se reúne após Honduras proibir entrada de diplomatas

linkGoverno de facto invade rádio e tira TV do ar em Honduras

lista Ficha técnica: Honduras, pobre e dependente dos EUA

lista Eleito pela direita, Zelaya fez governo à esquerda

especialCronologia do golpe de Estado em Honduras

especialEntenda a origem da crise política em Honduras

mais imagens Veja galeria de imagens do retorno

video TV Estadão: Jornalistas do 'Estado' discutem impasse

video TV Estadão: Ex-embaixador comenta caso Zelaya

  

"(A crise política) é um problema muito sério para todos nós", avaliou o encarregado da ONU, destacando a piora na situação do país centro-americano. Nesta segunda, o embaixador do Brasil na Organização dos Estados Americanos (OEA), Ruy Casaes, disse que os desdobramentos da tensão mostram que o governo de facto não está disposto a dialogar, e considerou que a situação chegou a um ponto em que hoje existe uma "ameaça" à paz internacional.

 

Nesta segunda, os simpatizantes de Zelaya anunciaram uma "ofensiva final" para derrubar o governo Micheletti. "Este regime nos roubou a paz. Por isso, iniciamos hoje a ofensiva final para devolver Honduras a seu presidente legítimo", disse o líder da Frente Nacional Contra o Golpe de Estado, Carlos Eduardo Reina. Ele não forneceu detalhes sobre a ação.

 

Da Embaixada brasileira, Zelaya falou nesta segunda, por telefone, com a agência Associated Press, mas não quis comentar as palavras de Reina. "Micheletti está disposto a me matar e fazer com que pareça suicídio. Eu digo ao povo: Manuel Zelaya não se suicida", afirmou o presidente deposto, que ainda disse temer que a representação brasileira seja invadida por ordens de Micheletti.

Tudo o que sabemos sobre:
Honduras

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.