Acidente com ônibus de turismo no Peru mata 13 colombianos

A maioria dos turistas era de aposentados que viajavam para Cuzco, nos Andes peruanos

EFE,

30 de setembro de 2007 | 00h52

Um acidente com um ônibus no sul do Peru, aparentemente por excesso de velocidade, deixou, neste sábado, 29, pelo menos 13 turistas colombianos mortos e outras 24 pessoas feridas, entre elas uma equatoriana. Entre os mortos estão oito homens e cinco mulheres, assim como oito gravemente feridos e outros 16 com ferimentos leves. Entre estes, está a equatoriana Ampudia Carrera Hernán, de 57 anos, segundo as fontes dos serviços de saúde. Um porta-voz da Polícia disse à agência Efe que o acidente aconteceu quando o ônibus, que partiu da cidade colombiana de Neiva, saiu da estrada e caiu em um rio na altura da ponte Santa Rosa, na estrada entre as cidades peruanas de Nazca e Abancay. A maioria dos turistas era de aposentados que viajavam para Cuzco, nos Andes peruanos, com a intenção de conhecer a cidade inca de Machu Picchu. A Polícia Rodoviária do Peru identificou até agora sete dos mortos. Todos os feridos já foram identificados. O governador local, David Salazar, comentou que os feridos apresentam traumatismos e fraturas e foram levados para o hospital central de Abancay. Duas mulheres, em pior estado, foram levadas de um helicóptero para Cuzco. Um sobrevivente afirmou que a tragédia aconteceu porque o motorista do ônibus corria demais e dirigia mal. "Saímos ontem de Ica com destino a Cuzco para conhecer Machu Picchu. Mas na localidade de Santa Rosa, por falta de perícia do motorista, saímos da estrada, e da ponte caímos no rio. Estávamos em velocidade excessiva que o motorista não conseguiu controlar", contou Jorge Enrique Lara ao portal "ElComercioPeru.com". O sobrevivente, que perdeu a sua esposa na tragédia, reiterou que "por causa disso o acidente aconteceu". "Os vidros se quebraram e as pessoas saíram voando", enfatizou. Lara disse que a estrada estava em um estado "aceitável" e assegurou que entre os passageiros do ônibus havia também um equatoriano, além de uma menina de 8 anos, que sobreviveu. "Partimos há oito dias de Neiva, na Colômbia, depois passamos pelo Equador e dali viemos ao Peru. A idéia era ir a Machu Picchu e depois ir a La Paz, Bolívia, dali a Buenos Aires, para retornar pelo Uruguai. A excursão estava planejada para retornar à Colômbia no dia 16 de outubro", detalhou. O homem confirmou, além disso, que o ônibus pertencia à empresa de transportes colombiana Coomotor e agradeceu Salazar pelo apoio dado às vítimas. Após conhecer os detalhes do acidente, o presidente do Peru, Alan García, dispôs a mudança a Lima dos feridos e falecidos, e telefonou para seu colega colombiano, Álvaro Uribe, a quem transmitiu pêsames. O cônsul da Colômbia em Lima, José Vicente Sánchez, confirmou que os turistas eram aposentados e acrescentou que os presidentes García e Uribe "vão buscar as melhores maneiras para tratar dos documentos necessários para antecipar de forma mais rápida" a repatriação dos corpos. "A idéia é ir a Cuzco para recolher os corpos. Depois o presidente García nos ofereceu um avião para nos levar a Lima. De repente o presidente Uribe nos envia um avião para nos levar a Bogotá", concluiu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.