Acidente em mina mata ao menos seis na Venezuela, dizem autoridades

Segundo garimpeiros, há 'várias pessoas' soterradas; atividades são em grande parte clandestinas

REUTERS

24 de agosto de 2010 | 14h44

Mineiro usa equipamentos rudimentares para descer por buraco em El Callao

 

UPATA, VENEZUELA- O desabamento de um túnel num garimpo clandestino matou seis pessoas na noite desta segunda-feira, 23, no sul da Venezuela, e outras podem estar soterradas, segundo autoridades.

 

Veja também:

linkPrimeiro contato telefônico é feito com mineiros presos no Chile

linkMineiros estarão conosco no Natal, diz Piñera

 

O garimpo fica na selva próxima à localidade de El Callao, no estado de Bolívar, disseram autoridades locais. Uma fonte chegou a anunciar sete mortes, mas outra informou que havia seis mortos e dois feridos.

 

Garimpeiros disseram à Reuters na terça-feira que há pessoas soterradas no túnel, mas que não sabiam quantas eram, nem se estavam vivas.

 

Vários acidentes têm chamado a atenção para problemas de segurança em minas da América do Sul. Em junho, uma explosão numa mina de carvão colombiana matou 70 pessoas, e no começo do mês um deslizamento dentro de uma mina chilena deixou 33 mineiros presos no subsolo.

 

Em meio a relatos confusos que chegam sobre o acidente na Venezuela, Nelly Matute, presidente de uma cooperativa de garimpeiros daquela região, disse à Reuters que 14 pessoas haviam morrido, e nove corpos já estavam no necrotério.

 

O garimpo, conhecido como Tomi, está cheio de túneis escavados à mão, onde cerca de 300 homens trabalham em pequenos grupos, buscando filões subterrâneos de ouro no meio da selva.

 

 

José García, chefe dos serviços de emergência do estado de Bolívar, disse não acreditar que haja garimpeiros soterrados. "Desabou quando os garimpeiros estavam cavando um túnel, há um ferido no hospital, e outra pessoa ferida que deixou o hospital", disse o funcionário, acrescentando que há máquinas no local procurando mais vítimas.

 

Os garimpeiros evitam contatos com as autoridades, porque sua atividade muitas vezes é clandestina. O Exército venezuelano tem patrulhado o estado neste ano para tentar coibir uma "corrida do ouro," causada pela valorização do metal.

 

Mineradoras formais produzem cerca de seis toneladas de ouro por ano, segundo cifras oficiais, e o Exército estima que os garimpeiros clandestinos extraiam o dobro dessa quantidade.

 

O Banco Central avalia que a Venezuela possua reservas de ouro de mais de 360 toneladas.

Tudo o que sabemos sobre:
minagarimpoacidentemineiroVenezuela

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.