Acordo com EUA consolida avanços contra as Farc, diz Uribe

Presidente colombiano discursou sobre a utilização de bases colombianas por forças americanas

AP,

16 de agosto de 2009 | 17h36

A poucos dias de concretizar o acordo que permitirá a utilização de sete bases colombianas por militares americanos, o presidente da Colômbia, Alvaro Uribe, disse neste domingo, 16, que a assinatura do entendimento com Washington consolida os avanços de seu país na luta contra o narcotráfico.

 

Veja Também

linkColômbia e EUA fecham acordo militar

linkEquador critica concessão de bases aos EUA

linkBases são ameaça à integração regional, diz Chávez

linkPor dentro das Farc

 

"A medida que (a guerrilha e os narcotraficantes) veem que demos esses passos, vão perdendo a ilusão de que algum dia poderão recuperar suas forças Colômbia", assegurou Uribe em discurso de prestação de contas na TV estatal do país.

 

Segundo Uribe, sua política de segurança "não terá revés" e manterá o objetivo de derrotar "por completo" a guerrilha e o narcotráfico.

 

Uribe considera que o convênio, que será assinado na próxima semana, "é um passo na direção correta".

 

A Colômbia e os Estados Unidos concluíram na sexta-feira, 14, as negociações para que os EUA realizem operações de inteligência a partir de bases militares em território colombiano.

 

Em entrevista ao jornal colombiano El Tiempo, o comandante das Forças Armadas colombianas, general Freddy Padilla de León, assegurou que "todos os pontos foram de mútuo acordo e não houve imposição de temas".

 

"A negociação respeitou as constituições dos dois países", concluiu Padilla.

 

O convênio terá duração de 10 anos e vem sendo criticado por presidentes sul-americanos, que consideram a presença militar americana uma ameaça à estabilidade do subcontinente.

 

No próximo dia 28, Uribe participa de um encontro em Bariloche, na Argentina, convocado pela União das Nações Sul-americanas para discutir o tema.

Tudo o que sabemos sobre:
Colômbiaacordo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.