Acusações da Colômbia sobre Venezuela devem ser levadas a sério, dizem EUA

Departamento de Estado diz que Caracas deve honrar compromissos e rejeitar guerrilhas

estadão.com.br

23 de julho de 2010 | 10h13

WASHINGTON - As denúncias da Colômbia sobre a presença de chefes guerrilheiros na Venezuela devem ser "levadas muito a sério", comunicou nesta sexta-feira, 23, o Departamento de Estado dos EUA, segundo informações da agência de notícias AFP.

 

Veja também:

linkEquador pode acionar Unasul pelo impasse

 

"As acusações da Colômbia devem se consideradas com seriedade. A Venezuela tem uma obrigação com a Colômbia e com a comunidade internacional para investigar completamente esta informação e atuar para prevenir o uso de seu território soberano por grupos terroristas", indicou o Departamento de Estado por meio de comunicado.

 

A Colômbia denunciou a presença de chefes das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) e do Exército da Libertação Nacional (ELN) na Venezuela. Na quinta, Bogotá apresentou imagens de 1,5 mil supostos guerrilheiros em território venezuelano.

 

As acusações levaram ao acirramento das tensões entre os vizinhos sul-americanos. O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, anunciou o rompimento das relações com Bogotá Ele decretou ainda alerta máximo na fronteira e advertiu sobre o risco do presidente colombiano, Alvaro Uribe, optar por uma ação armada contra a Venezuela.

 

"Todos dos países do continente esperam que os países da comunidade interamericana cumpram seu compromisso" de rejeitar a presença desses grupos ilegais, continua a nota.

 

Na quinta-feira, os EUA já haviam criticado a decisão de Caracas de romper relações com a Colômbia. "Não creio que romper relações seja o modo adequado" para reduzir a suspeitas entre ambos países e cumprir os tratados antiterroristas, disse o porta-voz do Departamento de Estado americano, P.J. Crowley.

 

Vários funcionários do governo e militares de Washington manifestaram em várias ocasiões suas preocupações com os supostos elos do governo e Chávez com as guerrilhas colombianas, assim como a presença de líderes rebeldes na Venezuela.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.