Acusado de decapitações em massa no México é preso

Soldados mexicanos detiveram o suposto perpetrador do massacre de 49 pessoas cujos corpos foram decapitados, desmembrados e atirados em uma rodovia na semana passada.

IOAN GRILLO, REUTERS

20 Maio 2012 | 18h40

Daniel Elizondo, apelidado de "Louco" e líder do cartel de drogas Zetas, foi detido no estado de Nuevo Leon, no norte do México, disse um porta-voz do exército neste domingo.

Elizondo encabeçava as operações de narcotráfico dos Zetas em Cadereyta, cidade industrial nas cercanias de Monterrey, perto de onde os corpos foram desovados, afirmou a autoridade.

O massacre é uma das piores atrocidades cometidas no México durante a guerra às drogas, que dispararam desde que o presidente Felipe Calderón assumiu em 2006 e desencadeou uma ofensiva nacional contra os cartéis.

A polícia encontrou os cadáveres em 13 de maio e disse que só poderiam ser identificados usando DNA, mas passada uma semana nenhum deles o havia sido, de acordo com os investigadores.

A polícia ainda disse não ter encontrado sinais de desaparecimentos em massa recentes na região e que as vítimas podem ser migrantes da América Central e do Sul cruzando o México a caminho dos Estados Unidos.

Mais conteúdo sobre:
MEXICO DECAPITACAO PRESO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.