AP
AP

Aeroporto de Honduras continuará fechado; confronto matou 2

Palco de choque entre militares e manifestantes pró-Zelaya no domingo, local seguirá sob vigia por 48 horas

Efe,

06 de julho de 2009 | 16h29

O aeroporto de Tegucigalpa permanecerá fechado por pelo menos 48 horas, enquanto se "normaliza a situação", depois do confronto de domingo entre militares e manifestantes quando o presidente deposto Manuel Zelaya tentou retornar ao país, informou nesta segunda-feira, 6, uma fonte oficial.

 

Veja também:

linkZelaya pede que militares baixem as armas

som Podcast: Mestre em Direito Internacional fala sobre a atual situação de Honduras

mais imagens Fotos: Galeria com imagens de protestos em Honduras

especialEntenda a origem da crise política em Honduras

linkPerfil: Eleito pela direita, Zelaya fez governo à esquerda

lista Ficha técnica: Honduras, um país pobre e dependente dos EUA 

 

Por causa dos distúrbios de domingo, que deixaram pelo menos dois mortos, segundo uma fonte oficial hondurenha, houve danos na cerca de arame que circunda a pista do aeroporto, vigiado nesta segunda por policiais e militares.

 

Os incidentes de domingo se registraram quase no final de uma grande manifestação de seguidores de Zelaya, que tentou ontem chegar a Tegucigalpa a bordo de um avião venezuelano, mas teve a aterrissagem de sua aeronave impedida pelas novas autoridades de Honduras.

 

Segundo o novo ministro das Relações Exteriores hondurenho, Enrique Ortez, duas pessoas morreram no confronto entre militares e manifestantes. Os incidentes também deixaram uma dezena de feridos, segundo fontes médicas.

 

O avião do presidente deposto sobrevoou no domingo duas vezes a capital hondurenha, mas os militares impediram o pouso atravessando veículos na pista, até o local onde os manifestantes, que romperam uma parte da cerca, queriam passar.

 

Segundo autoridades do aeroporto de Tegucigalpa, o fluxo de voos pode voltar ao normal em dois ou três dias. Os seguidores de Zelaya advertiram que os protestos continuarão até que o presidente deposto seja restituído no cargo.

Tudo o que sabemos sobre:
Hondurasgolpe de Estado

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.