Agência ligada às Farc diz que resgate de Ingrid é 'aventura'

Anncol afirma que guerrilha não sabe da iniciativa francesa e chama Sarkozy de ingênuo por tentativa

Agências internacionais,

03 de abril de 2008 | 13h22

A Agência de Notícias Nova Colômbia (Anncol), que tradicionalmente publica em seu site na internet comunicados e declarações das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), afirmou nesta quinta-feira, 3, que a missão humanitária liderada pela França dificilmente cumprirá o seu objetivo de tentar contatar de conseguir acesso à ex-candidata à Presidência da Colômbia Ingrid Betancourt para oferecer cuidados médicos. O veículo ainda classificou como "ingênuo" o presidente francês, Nicolas Sarkozy, por liderar a tentativa de resgate. Missão para resgate de Ingrid chega à ColômbiaFilho diz que morte 'é questão de horas' Conheça a trajetória de Ingrid Betancourt Por dentro das Farc Entenda a crise  Histórico dos conflitos armados na região  O Brasil tem sido omisso no caso Ingrid Betancourt?   "Para uma libertação unilateral, é necessário que as partes concordem com algum mecanismo, de segurança ao menos. É estranho que o presidente Nicolas Sarkozy seja tão ingênuo e que o Comitê Internacional da Cruz Vermelha acompanhe tão perigosa aventura". A Anncol, com sede em Estocolmo, sugeriu que todos os canais de comunicação com as Farc podem estar cortados desde o ataque colombiano no Equador, que matou o então número dois da guerrilha Raúl Reyes. "Não sabemos se as Farc sabem da missão", adiantou o comunicado sobre a operação humanitária que visa que pretende atender não só Ingrid, mas também outros doentes do grupo de mais de 40 reféns que os rebeldes pretendem trocar por cerca de 500 presos. A equipe médica francesa chegou à Colômbia nesta quinta-feira. A aeronave que levou os médicos chegou cedo à base aérea militar na capital, Bogotá, disse uma autoridade da força aérea. Não ficou claro se os líderes rebeldes aprovaram a missão médica, mas o presidente colombiano, Alvaro Uribe, disse que vai suspender todas as atividades militares na área, assim que a equipe tiver as coordenadas do local onde pode desempenhar sua função. Acredita-se que Ingrid Betancourt esteja com a saúde bastante debilitada. Ela é a pessoa mais importante mantida refém pelas Farc. Segundo a Anncol, "em uma guerra como a colombiana, os canais de comunicação com o inimigo não podem ser totalmente fechados". "Isto demonstra que é necessário deixar uma janela aberta, um resquício, por meio do qual possam se comunicar com o inimigo, para depois não ficarem desesperados procurando um contato", afirmou a agência. A nota também destacou que "não se pode enviar aviões para esperar inutilmente por uma pessoa que ninguém disse se será entregue". A missão humanitária deu às autoridades colombianas informações sobre onde acredita que esteja a refém. "A missão nos deu informações, e nos disse onde acredita que Ingrid Betancourt esteja presa", disse o presidente Álvaro Uribe, em entrevista transmitida pela televisão francesa France 3. A libertação de Ingrid, seqüestrada durante um bloqueio que as Farc fizeram numa estrada em fevereiro de 2002, tem sido prioridade na política externa do presidente francês Nicolas Sarkozy. As Farc também mantém refém três norte-americanas capturados em 2003, além de dezenas de soldados e autoridades policiais. As Farc têm sido enfraquecidas pela forte repressão realizada pelo governo Uribe, que tem apoio dos Estados Unidos, e a violência do confronto que já dura quatro décadas diminuiu com a guerrilha sendo forçada a se refugiar em áreas mais remotas. Os reféns libertados nos últimos meses dizem que Betancourt está seriamente doente. Um vídeo lançado no ano passado mostra a franco-colombiana sentada, magra e desanimada, em um esconderijo das Farc na selva.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.