Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Agricultores argentinos bloqueiam mais estradas e mantêm greve

Agricultores argentinos bloquearammais estradas na terça-feira, em meio a uma greve iniciada paraprotestar contra o aumento dos impostos que incidem sobre aexportação de grãos. Durante as ações, depararam-se com caminhoneiros ansiosospara verem as rodovias liberadas. Os negócios nos maiores mercados de grão e de gado estãoparalisados desde o início do protesto, no dia 13 de março, e obloqueio de estradas em áreas rurais ampliou-se nos últimosdias. Meios de comunicação argentinos afirmaram que já faltacarne e laticínios em supermercados de Buenos Aires. Líderesdos agricultores devem reunir-se na terça-feira para decidirsobre se continuam ou não com as manifestações. O setor exige que o governo cancele uma alteração naestrutura do imposto de exportação, que criou tarifas maisaltas para a soja e os produtos derivados do girassol.Autoridades do país, no entanto, recusaram-se a atender a essasdemandas e a negociar sob pressão. O ministro argentino da Justiça, Aníbal Fernández, afirmoua uma rádio do país que o governo deseja travar um diálogo, masque não permitirá aos agricultores que decidam sobre "como ascoisas devem ser feitas." Os agricultores em greve não estão enviando seus produtospara os mercados e o estoque dos beneficiadores de soja começaa esgotar-se. Algumas empresas de grão alegaram "força maior"para descumprir seus contratos na semana passada, desviandoseus carregamentos de soja para os EUA. A manifestação na Argentina, maior fornecedor mundial deóleo e carne de soja, também pressiona a moeda do país, o peso,devido a uma redução do influxo de capital advindo dasexportações agrícolas. Os bloqueios nas estradas, porém, tornou-se o aspecto maisvisível do protesto. Em algumas áreas, caminhoneirosimpacientes começaram a desmontar os bloqueios eles próprios. Os manifestantes permitem a passagem de caminhões que nãoestejam carregando produtos agrícolas. Os agricultores vêm distribuindo panfletos, argumentandoque as taxas de exportação mais altas "tiram (dinheiro) dascomunidades rurais, dos donos de lojas e de nossas indústrias.Com esse dinheiro, poderia haver mais investimentos, maisempregos e um futuro melhor para todos." O governo tem usado os impostos sobre a exportação de grãospara aumentar sua arrecadação em um momento de preçosexcepcionalmente altos das commodities e a fim de conter ainflação alta dentro do país, que atinge em especial osalimentos básicos. (Reportagem de Cesar Illiano)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.