Esteban Felix/AP
Esteban Felix/AP

Ajuda continua insuficiente dois meses após terremoto, diz NYT

Apenas metade dos desabrigados receberam alojamento; lideranças precisam tomar mais decisões para o povo

12 de março de 2010 | 11h10

A assistência internacional direcionada ao Haiti depois de o país ter sido atingido por um terremoto devastador há dois meses tem sido insuficiente, diz um artigo publicado nesta sexta-feira, 12, no jornal americano The New York Times. Segundo o diário, é preciso um maior esforço para garantir refúgio, alimentos e medicamentos para as vítimas do tremor de 12 de janeiro.

 

A ONU, os governos estrangeiros e as agências internacionais realizaram um trabalho de ajuda sem precedentes, "mas dois meses depois, segue sendo insuficiente", opina um editorial do jornal.

 

"Somente metade dos desabrigados foram direcionados para algum tipo de alojamento rudimentar, como lonas a barracas de plástico que não os protegerão quando chegar a temporada de inundações nos próximos meses e a temporada de furacões de junho", acrescenta.

 

VEJA TAMBÉM:
video Assista a análises da tragédia
mais imagens As imagens do desastre
blog Blog: Gustavo Chacra, de Porto Príncipe
especialEntenda o terremoto
especialInfográfico: tragédia e destruição
especialCronologia: morte no caminho da ONU
lista Leia tudo que já foi publicado

O Times publicou particularmente o governo haitiano, afirmando que o presidente René Preval e o primeiro-ministro Jean-Max Bellerive "não fizeram uma liderança forte e visível". O artigo diz que as autoridades "não tomaram decisões, e as que foram tomadas foram confusas" e exemplifica citando o caso das escolas pouco danificadas, que só serão reabertas quando todas as outras estiveram aptas a receber os alunos.

 

Segundo o jornal, Préval esteve muito visível durante seu encontro com o presidente dos EUA, Barack Obama, na Casa Branca, mas permanece ausente para o povo haitiano.

 

O Times pede ao próprio povo haitiano que "libere suas forças" para ajudar a reerguer o país. "É necessária a ajuda de grupos civis, eclesiásticos, empresariais e vizinhos que conhecem melhor o país, falam seu idioma e estão mais comprometidos com seu renascimento", finaliza o artigo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.