AP Photo - 14/01/2010
AP Photo - 14/01/2010

Ajuda humanitária para terremoto começa a chegar ao Haiti

Avião com 14 toneladas de alimentos e remédios do Brasil e parte de auxílio americano chegam ao país

Agências internacionais,

14 de janeiro de 2010 | 06h35

Durante a madrugada desta quinta-feira, 14, começaram a chegar a Porto Príncipe as primeiras ajudas internacionais para as vítimas do terremoto no Haiti. Uma equipe de resgate dos Estados Unidos com 72 especialistas em busca de sobreviventes desembarcou no país e partiu do estado da Virgínia.

Veja também:

link Ajuda humanitária começa a chegar ao Haiti

linkHaitianos passam noite nas ruas entre corpos e escombros

linkBrasil e EUA pedirão mais doações ao Haiti em reunião

 

Um avião com 14 toneladas de alimentos e remédios do governo brasileiro também desembarcou no Haiti, levando o ministro da Defesa, Nelson Jobim e o embaixador do Brasil, Igor Kipman, que estava em Brasília no momento do terremoto.

 

Aviões com ajuda, provenientes da Venezuela e da China também chegaram.  Equipes mexicanas, britânicas, dinamarquesas, cubanas  e francesas  estão a caminho de Porto Príncipe.

VEJA TAMBÉM:
\"especial\" Tragédia e destruição no Haiti
\"especial\" Os piores terremotos na América Latina
\"especial\" Os piores terremotos da década
blog Blog: repercussão em tempo real
blog População do Haiti se comunica com mundo via Web
\"som\" Representante da OEA fala do tremor
\"mais A tragédia em imagens
\"lista\" Leia tudo que já foi publicado

Outro navio procedente dos EUA também chegou ao Haiti com mantimentos e remédios para ajudar os desabrigados e feridos pela tragédia. Além disso, outras três unidades procedentes dos Estados Unidos chegarão ao Haiti nas próximas horas.  

 

Saques

 

Soldados da força de paz da ONU, que já tinham um papel-chave em manter a ordem pública no Haiti mesmo antes do terremoto, têm sido deslocados para controlar focos de intranquilidade, em meio a relatos de saques.

 

A organização não governamental Médicos Sem Fronteiras (MSF) relatou um "fluxo enorme" de pessoas feridas, muitas delas em estado grave, a clínicas improvisadas.

 

Remédios

 

Segundo o porta-voz da MSF no Canadá, Paul McPhun, pacientes com "traumas graves, ferimentos nas cabeças, membros esmagados" têm buscado ajuda nas estruturas provisórias montadas pela organização.

 

Apesar disso, ele disse que os médicos da ONG têm apenas a capacidade de oferecer aos pacientes cuidado médico básico. Uma das clínicas de emergência da MSF desmoronou com o tremor e duas outras foram gravemente danificadas e não podem ser usadas.

 

Hans van Dillen, membro da MSF em Porto Príncipe, relatou que há "centenas de milhares de pessoas dormindo nas ruas porque não têm para onde ir".

 

"Vemos fraturas expostas, ferimentos na cabeça", disse ele em um relato publicado no site da MSF. "O problema é que não podemos encaminhar as pessoas para o atendimento médico adequado neste momento", afirmou.

 

 

 

Com informações da Associated Press e da BBC Brasil

Tudo o que sabemos sobre:
Haititerremoto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.