Alan García declara que Peru está livre do analfabetismo

Líder peruano qualificou redução como 'histórica'. No entanto, analistas dizem que constatação é simplista 'um indivíduo que aprendeu a assinar seu nome e a adquirir alguns dados pessoais não é uma pessoa alfabetizada'

Efe,

14 de junho de 2011 | 01h27

LIMA - O presidente Alan García declarou na segunda-feira, 14, que o Peru está "livre do analfabetismo", já que conseguiu reduzir a taxa de 11% para 2,8% durante seu governo, um número que, no entanto, não foi endossado por organismos internacionais.

 

O líder peruano qualificou esta redução como algo "transcendental e histórico para o país", mas alguns analistas consideram esses dados pouco realistas e baseados em um conceito de alfabetização um tanto simplista.

 

"Consideraram um indivíduo que aprendeu a assinar seu nome e a adquirir alguns dados pessoais como uma pessoa alfabetizada. Isso não é realista", opinou à Madeleine Zúñiga, coordenadora nacional da organização Campanha Peruana pelo Direito à Educação.

 

Estas críticas não impediram García de organizar uma grande celebração nesta segunda-feira no Palácio do Governo para comemorar os resultados do Programa Nacional de Mobilização pela Alfabetização (Pronama), por meio do qual, segundo o Executivo, mais de um milhão e meio de peruanos aprenderam a ler e a escrever.

 

Madeleine afirmou que o anúncio de García pode ser comparado a uma medida populista similar à realizada por Hugo Chávez na Venezuela, que declarou em 2005 que seu país estava "livre do analfabetismo". Posteriormente, o Equador, a Nicarágua e a Bolívia também alegaram obter o mesmo resultado.

 

"Eu tinha a esperança de que aqui não cometeriam este erro, mas pelo visto o presidente decidiu fazer de qualquer maneira. Na realidade não houve nenhuma avaliação séria envolvida", acrescentou a analista.

 

A coordenadora da Campanha Peruana pelo Direito à Educação acrescentou que a realização do anúncio pode fazer com que os programas de alfabetização sejam deixados de lado quando "ainda há muito o que fazer".

 

"Este programa também não atinge a raiz do problema, que é a pobreza. Ninguém deixou de estudar porque quis, mas porque não foi possível assistir as aulas, porque não há escolas e nem professores", afirmou.

 

Na cerimônia realizada nesta segunda-feira no Palácio do Governo, um dos últimos atos de García como presidente antes de seu sucessor Ollanta Humala assumir o poder em 28 de julho, o líder peruano contou com a presença de embaixadores.

 

Segundo dados do governo, no Pronama participaram 216 mil alfabetizadores e 15 mil supervisores que utilizaram material de texto em nove línguas nativas, assim como braile e linguagem dos sinais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.