Álvaro Uribe vem ao Brasil em busca de investimentos

Presidente da Colômbia chega ao país após governo brasileiro oferecer apoio para resgate de reféns das Farc

Ansa,

16 de fevereiro de 2009 | 11h21

O presidente da Colômbia, Álvaro Uribe, chega nesta segunda-feira, 16, ao Brasil para uma visita oficial de dois dias que passará por São Paulo e Brasília, e durante a qual buscará novos investimentos para seu país. O mandatário participa de um encontro na sede da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e deve ainda se reunir com o governador de São Paulo, José Serra.   Na terça, Uribe segue para Brasília, onde será recebido pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O encontro ocorre pouco mais de uma semana depois de o Brasil ter auxiliado a Colômbia nas operações que resgataram seis reféns libertados pelas Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc). O Exército brasileiro cedeu um grupo de oficiais e dois helicópteros Cougar para a realização do procedimento.   O presidente da Colômbia será condecorado com a Ordem Nacional do Cruzeiro do Sul e assinará acordos comerciais e de segurança. Ao lado de Lula, participará de um almoço no Palácio do Itamaraty, sede do Ministério das Relações Exteriores, ao qual também estarão presentes os chanceleres Jaime Bermúdez e Celso Amorim. No fim da visita, Uribe visitará o Congresso Nacional e o Supremo Tribunal Federal.   Um dos principais objetivos da viagem é ampliar e diversificar a pauta do comércio bilateral entre os dois países, cuja balança é deficitária para a Colômbia. Para Bogotá, uma forma de equilibrar as relações seria potencializar os investimentos brasileiros no país.   A aproximação com o Brasil coincide com o momento em que o Congresso dos Estados Unidos endurece suas posições para aprovar o Tratado de Livre Comércio (TLC) com a Colômbia. O acordo segue travado, enquanto deputados e senadores norte-americanos, sobretudo da bancada democrata, apontam denúncias de violações dos direitos humanos praticadas no país sul-americano, e em especial episódios de violência contra líderes sindicais.

Tudo o que sabemos sobre:
ColômbiaBrasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.