Ameaças à liberdade de expressão espalham-se pela AL

Entre os novos métodos estão ações judiciais e administrativas, multas e interrupção de concessões

Ruth Costas, O Estado de S. Paulo

11 de setembro de 2009 | 08h04

Nos últimos anos, as ameaças à imprensa disseminaram-se pela América Latina seguindo um modelo que, segundo analistas, parece ter sido criado pelo presidente venezuelano, Hugo Chávez, e copiado por Bolívia, Equador e Nicarágua, além da Argentina. Entre os novos métodos de censura estão ações judiciais e administrativas contra jornais, rádios e TVs, multas, novas leis e a não renovação ou interrupção de concessões.

 

Veja também:

linkVice de Cristina fala de 'ação intimidatória' contra o Clarín

linkCristina aperta o cerco e envia fiscais à redação do Clarín

linkApenas cinco de cada cem argentinos votariam em Kirchner

linkVice de Cristina fala de 'ação intimidatória' contra o Clarín

linkAção contra Clarín leva tensão a jornalistas do grupo

linkKirchners tentam aprovar lei com restrições à mídia

 

Chávez declarou guerra à imprensa em 2002, quando algumas emissoras apoiaram um golpe contra seu governo. Em 2007, ele rejeitou renovar a concessão da maior televisão do país, a RCTV, e agora ameaça fechar a TV Globovisión e mais de 200 rádios. Além disso, seus aliados costumam atacar jornalistas críticos ao governo.

 

O presidente equatoriano, Rafael Correa, também ameaça tomar controle de rádios e TVs alegando irregularidades em suas concessões. No mês passado, ele qualificou a imprensa como o "maior adversário" de seu governo.

 

Uma retórica semelhante é adotada pelo nicaraguense Daniel Ortega, que ontem mesmo conclamou seus aliados a "lutar" contra meios opositores: "Eles servem de caixa de ressonância para os inimigos do nosso projeto popular."

 

Na Bolívia, os ataques à imprensa privada vêm acompanhados de um esforço para expandir os meios oficiais. Evo Morales abriu 250 novas rádios e reaparelhou a TV estatal. Mas ameaçou nacionalizar o maior jornal do país, o La Razón, e está processando o La Prensa.

 

Já no Brasil, preocupam os grupos de defesa da liberdade de expressão os processos judiciais para barrar informações de interesse público - como a ação que censurou o Estado a pedido de Fernando Sarney, filho do presidente do Senado, José Sarney.

Tudo o que sabemos sobre:
censuraArgentinaClarín

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.