América Central disputa vaga no Conselho de Segurança da ONU

República Dominicana e Costa Rica tentam ser um dos membros não-permanentes do grupo, escolhidos na terça

Reuters,

16 de outubro de 2007 | 13h07

A Costa Rica disputa com a República Dominicana na eleição desta terça-feira, 16, uma as vagas temporárias do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU). Os vencedores assumem suas vagas em 1 de janeiro, com mandato de dois anos.   A Croácia enfrenta a República Checa numa batalha entre jovens democracias pelo outro lugar disponível no grupo.  Os membros não-permanentes, eleitos por critérios de rodízio dentro de regiões, não têm poder de veto.   Nas outras três vagas em aberto neste ano provavelmente não haverá disputa, já que Burkina Faso, Líbia e Vietnã já receberam o aval de entidades regionais e não enfrentam oposição.   Diplomatas evitaram especular sobre a disputa entre Costa Rica e República Dominicana. Porém, qualquer que seja o resultado, isso implica que a América do Sul ficará fora do Conselho no ano que vem.   A Costa Rica já esteve duas vezes no Conselho de Segurança, o que nunca aconteceu com a República Dominicana. Autoridades dominicanas disseram que o chanceler Carlos Morales Trancoso manteve mais de 45 encontros bilaterais com outras delegações da ONU como parte da campanha, mas a Costa Rica também se empenhou para conquistar a vaga.   Para a Líbia, já praticamente eleita, a entrada no Conselho será um sinal de retomada do seu prestígio internacional, após anos sendo acusada pelo Ocidente de patrocinar o terrorismo.   Os países que deixam o Conselho em 31 de dezembro são República do Congo, Gana, Peru, Catar e Eslováquia. Bélgica, Indonésia, Itália, Panamá e África do Sul ainda têm um ano de mandato pela frente. Estados Unidos, Rússia, China, Grã-Bretanha e França são membros permanentes do órgão, com direito a veto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.