Amorim diz que Bolívia precisa de 'diálogo'

O chanceler brasileiro, CelsoAmorim, pediu à Bolívia que busque uma solução pacífica para osviolentos protestos contra a aprovação de uma novaconstituição, que causaram a morte de pelo menos três pessoas. O ministro disse que o Brasil está acompanhando com "muitaatenção" a situação no país vizinho, de quem importa gásnatural. "Acho que o problema que pode haver (na Bolívia) é a faltade diálogo", disse Amorim, que está nos Estados Unidos paraparticipar de uma conferência sobre o Oriente Médio, que serárealizada na cidade de Annapolis. "Então o que se pode fazer é contribuir para que hajadiálogo", acrescentou o chanceler a jornalistas em Washington. As manifestações aconteceram na cidade de Sucre, onde asreclamações contra a assembléia constituinte provocaramdistúrbios que deixaram mortos e feridos. As manifestações aconteceram porque a constituição nãoatendeu aos pedidos dos moradores da cidade para que ela ganhestatus de "capital plena" do país, acabando com o domínio atualde La Paz. (Por Adriana Garcia)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.