Amorim diz que 'golpistas só prolongam agonia' em Honduras

Chanceler afirma que governo de facto deve entender 'clamor' internacional e apoia volta 'pacífica' de Zelaya

Efe,

22 de julho de 2009 | 16h35

O ministro das Relações Exteriores Celso Amorim afirmou nesta quarta-feira, 22, que "os golpistas hondurenhos só prolongam sua agonia", ao resistirem a restituir no poder o deposto Manuel Zelaya, "como exige toda a comunidade internacional". Amorim evitou comentar as intenções de Zelaya de retornar a Honduras, apesar da advertência do novo governo de que será detido. Porém, disse que o Brasil é "totalmente a favor" da volta do presidente hondurenho e que deseja que isso aconteça "por meios pacíficos."

 

Veja também:

linkPara analistas, pressão econômica seria saída para Honduras

linkGoverno interino de Honduras adia envio de negociadores

linkZelaya diz que sua morte será responsabilidade de comandante militar

linkHonduras expulsou diplomatas aliados de Chávez, diz Caracas

especialEntenda a origem da crise política em Honduras 

lista Perfil: Eleito pela direita, Zelaya fez governo à esquerda

lista Ficha técnica: Honduras, um país pobre e dependente dos EUA 

 

Segundo o chanceler, "o governo de fato, os golpistas, devem entender o clamor da comunidade internacional", que já se pronunciou contra da derrubada de Zelaya e a favor do imediato retorno dele ao poder. Amorim disse que, aparentemente, "os únicos que pensam diferente são os golpistas", que para ele "só prolongam sua agonia" e acabarão causando "maiores prejuízos ao povo" hondurenho.

 

"É importante que os golpistas compreendam que podem melhorar muito a situação uma vez que aceitem a volta do presidente Zelaya", completou. Zelaya foi deposto em 28 de junho e enviado à Costa Rica pelos militares. Seu cargo foi assumido pelo então titular do Congresso, Roberto Micheletti.

Tudo o que sabemos sobre:
Hondurasgolpe de Estado

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.