Analistas crêem em vitória de Cristina Kirchner no 1o turno

A eleição presidencial de outubrona Argentina está definida e a primeira-dama e senadoraCristina Fernández de Kirchner ganhará já no primeiro turno,disseram neste domingo analistas e pesquisas publicadas pelaimprensa local. Fernández conta com todo o apoio propagandístico do governode seu marido, Néstor Kirchner, para a campanha e há mais dedois meses tem mais de 40 por cento das intenções de votos,segundo as pesquisas, apesar de recentes denúncias de corrupçãoterem gerado esperanças nos candidatos de oposição. Apesar disso, os analistas políticos consultados pelojornal Página 12 foram contundentes. "Teoricamente não se pode dizer que a eleição estádefinida, mas a probabilidade de que haja uma mudança detendência é muito baixa, baixíssima. A lógica absoluta é queCristina ganhe no primeiro turno", disse Manuel Mora y Araujo. "A eleição está definida. Cristina não tem chances deperder porque faltam poucos meses. Ela está estabilizada...e dooutro lado não aparece nada que altere as coisas", disse oanalista Enrique Zuleta Puceiro. O jornal Clarín publicou três pesquisas neste domingo, semdar detalhes de quando foram realizadas nem da quantidade depessoas consultadas. Cristina Fernández aparece com entre 44por cento e 47,8 por cento dos votos, e seus dois maioresconcorrentes ficam com entre 8,4 por cento e 18,1 por cento. Segundo a lei argentina, um candidato que obtenha mais de45 por cento dos votos ganha a Presidência. Os principais candidatos de oposição são Roberto Lavagna,ex-ministro da Economia de Kirchner, e Elisa Carrió, líder deuma força de centro-esquerda que aposta em desgaste do governopor conta dos recentes escândalos de corrupção. Nos últimos meses, Kirchner demitiu funcionários de segundoescalão suspeitos de pagar suborno na construção de um gasodutoe uma subsecretária acusada na mídia de uso indevido de fundospúblicos. Sua ex-ministra da Economia Felisa Miceli demitiu-sedevido ao aparecimento de uma sacola com 60 mil dólares deorigem duvidosa em seu gabinete.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.