Ao lado de Chávez, Lugo visita região empobrecida do Paraguai

Presidente venezuelano afirma que ofereceu financiamento para a instalação de fábrica de fertilizantes no local

Associated Press,

16 de agosto de 2008 | 12h49

No primeiro dia de seu governo, o presidente paraguaio, Fernando Lugo, voltou neste sábado, 16, na empobrecida região do norte do Paraguai onde foi bispo por 11 anos para confirmar sua promessa de acabar com o isolamento e a marginalização da província. O ex-religioso foi acompanhado do presidente venezuelano, Hugo Chávez, um dos governantes que se perfilam como aliado crucial de seu governo.   "Estou nesta comunidade deixada de lado por todos os governos anteriores. Aqui aprendi a amar o campo, os indígenas e a admirar os seus esforços para sobreviver apesar das condições adversas", declarou Lugo em uma coletiva de imprensa improvisada no pequeno aeroporto de Yatebó.   "Durante a campanha eleitoral, fiz uma promessa: se vencesse, deveria estar em San Pedro, com o seu povo sofrido, para fortalecer a esperança de um futuro melhor e dizer que trabalharei para que a região deixe de ser isolada, possa ser incorporada ao processo de desenvolvimento social e econômico", agregou.   Lugo cumpriu suas atividades clericais na província de San Pedro entre 1994 e 2005. Ainda que não tenha detalhado os planos para impulsionar o desenvolvimento da região, Chávez anunciou aos jornalistas que ofereceu a Lugo o financiamento de uma fábrica de fertilizantes para que o solo seja recuperado e tenha condições adequadas para o cultivo. O venezuelano ressaltou que incentiva um projeto similar na Nicarágua. Chávez disse ainda que tem outros planos para apresentar a Lugo. "O Paraguai é parte de uma pátria grande, nossa América", sem oferecer mais detalhes.   Antes de se encontrar com líderes locais, Lugo e Chávez participaram de uma missa em uma pequena igreja construída em 1795. O novo governador governamental e aliado do ex-sacerdote, José Ledesma, explicou que tem a "firme decisão de levar adiante a democracia com pão".   Durante sua viagem com Chávez, Lugo revelou que após a cerimônia de juramento, teve encontros bilaterais com alguns colegas, como a presidente do Chile, Michelle Bachelet, que lhe ofereceu "toda a ajuda necessária para fortalecer a educação superior e a transferência de tecnologia para áreas agrícolas produtivas".   Lugo assumiu seu mandato de cinco anos na sexta-feira e rompeu com a hegemonia de mais de 60 anos do Partido Colorado. Ao tomar posse, o novo presidente do Paraguai centrou seu discurso nos dois temas que mais preocupam o país: a necessidade de reduzir a pobreza e, principalmente, o combate à corrupção.   Em seu discurso, ele não citou o sucessor, mas fez uma referência ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva: "Um discurso do presidente Lula me marcou muito", disse Duarte. "Ele disse uma vez que presidentes da América Latina chegam à noite com mais frustrações que satisfações e quando amanhece não sabem que tragédia irão enfrentar", contou.

Tudo o que sabemos sobre:
ParaguaiVenezuela

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.