Apagão na Venezuela interrompe duas vezes discurso de Maduro

Até 15 Estados e partes da capital foram afetados pela falha na transmissão elétrica; presidente prometeu investigar problema

Reuters

27 de junho de 2014 | 17h03

CARACAS - Um apagão no meio da tarde desta sexta-feira, 27, deixou pelo menos 15 Estados da Venezuela e a região metropolitana de Caracas sem eletricidade e interrompeu por duas vezes a transmissão ao vivo de um discurso do presidente Nicolás Maduro.

A imagem da transmissão ficou congelada por vários segundos durante a transmissão da cerimônia de uma premiação jornalística nacional. As palavras "parece que caiu a energia" puderam ser ouvidas ao fundo.

"Parece que há alguns problemas, nós vamos investigar os problemas que estamos tendo com o serviço de energia em algumas partes do país", afirmou o presidente Maduro em uma das vezes em que a transmissão foi retomada.

De acordo com a imprensa local, o serviço na maioria das linhas de metrô em Caracas foi interrompido com a queda de energia elétrica. As principais empresas venezuelanas também foram afetadas pela falha.

Um representante da companhia estatal de petróleo PDVSA afirmou que não tinha recebido nenhuma informação de que a indústria petrolífera teria sido afetada. A Corporação Elétrica Nacional (Corpoelec) e o Ministério da Energia não responderam aos pedidos da agência Reuters para comentar o problema.

Por volta das 18 horas (horário local), a situação havia sido normalizada na maior parte do país, segundo um comunicado do Ministério da Eletricidade.

Recorrentes. As falhas de transmissão de energia e os apagões na Venezuela têm se agravado nos últimos anos. Antes do apagão de ontem, o último caso ocorreu no dia 2 de dezembro e também atingiu pelo menos 15 Estados. Três meses antes, 17 Estados passaram pelo mesmo problema em razão de uma falha no sistema de transmissão na região central da Venezuela. / REUTERS e AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.