Apoio a Correa cresce, mas não garante vitória em referendo

O apoio ao presidente do Equador, RafaelCorrea, está crescendo antes de um importante referendo, a serfeito em setembro, para aprovar uma nova Constituição. Mas olíder esquerdista ainda tem que se esforçar para conquistar amaioria, segundo uma pesquisa divulgada na quinta-feira. A pesquisa Cedatos-Gallup mostrou que o apoio dos eleitoresà Constituição proposta por Correa cresceu 9 pontos desde aúltima pesquisa, chegando a 41 por cento. Embora sejanecessário obter o apoio de 50 por cento para vencer, o aumentoé boa notícia pois reverte a tendência de queda vista no começodo ano. "O aumento está relacionado a uma série de medidaspopulares empreendidas por Correa nas últimas semanas", disseCarlos Cordova, pesquisador da Cedatos. "Ainda é cedo paraprever o resultado, mas parece que será uma votação apertada." Correa, eleito no fim de 2006 prometendo mudar a elitepolítica, aposta seu futuro no referendo de 28 de setembro. Anova Constituição permitiria que ele permanecesse no poder até2017, além de aumentar seu poder sobre a economia do país, umdos membros da Opep (Organização dos Países Exportadores dePetróleo). Recentemente, ele ordenou uma tomada popular de cerca de200 empresas de propriedade de grupos econômicos ligados àcrise econômica de uma década atrás, acontecimento que causoumilhões de dólares em perdas para o Estado e para oscontribuintes. Os críticos do ex-professor de economia e aliado dopresidente da Venezuela, Hugo Chávez, dizem que Correa querobter poderes autocráticos. Mas muitos equatorianos o apóiampor desafiar os partidos políticos acusados de ser responsáveispor anos de instabilidade no país. A pesquisa Cedatos entrevistou 1.500 pessoas e tem margemde erro de 3,2 pontos. Uma pesquisa anterior divulgada em julhomostrou que 32 por cento dos equatorianos apoiariam suaspropostas no referendo.

REUTERS

07 de agosto de 2008 | 12h30

Tudo o que sabemos sobre:
EQUADORAPOIOCORREA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.