Orlando Barría/Efe
Orlando Barría/Efe

Após 4 meses, Zelaya deixa embaixada brasileira em Honduras

Ex-líder deposto deixa representação diplomática em comboio de 20 carros para aeroporto de Tegucigalpa

Roberto Simon, enviado especial do Estado de S. Paulo,

27 de janeiro de 2010 | 19h01

O ex-presidente deposto de Honduras Manuel Zelaya deixou nesta quarta-feira, 27, a embaixada do Brasil em Tegucigalpa, após quatro meses morando como hóspede na representação diplomática.  Ele embarcou para a República Dominicana por volta das 19h40 (horário de Brasília)  com um salvo-conduto expedido pelo governo do novo presidente, Porfírio 'Pepe'  Lobo  .

Fim da crise em Honduras:

link Volta de Zelaya reduziu violência, diz Amorim

 linkAntes de sair, Micheletti tira Honduras da Alba

 linkSaio com sucesso, diz ex-presidente de facto 

 

Em um comboio de 20 carros, ele seguiu rumo ao aeroporto da capital hondurenha, de onde foi para a República Dominicana.

 

Zelaya estava acompanhado de Lobo e do presidente dominicano, Leonel Fernández, que articulou o acordo para levá-lo à República Dominicana na condição de hóspede. Milhares de seguidores do líder deposto o esperaram no Aeroporto de Toncontín, onde havia um forte dispositivo militar e policial. 

 

Ele viajou para Santo Domingo acompanhado de sua esposa Xiomara Castro, os dois filhos, do assessor pessoal Rasel Tomé, e do presidente dominicano. O presidente deposto chegou na República Dominicana às 21h de Brasília, onde aterrissou em uma base aérea nas proximidades da capital em meio a fortes medidas de segurança. 

 

VEJA TAMBÉM:
especial Cronologia da crise em Honduras
som Honduras vivia expectativa, diz enviado
especial Entenda o impasse no país

 

 

Posse e anistia

 

Mais cedo, o presidente Porfírio 'Pepe' Lobo tomou posse. Seu primeiro ato como presidente foi sancionar uma lei aprovada nesta madrugada pelo novo Congresso que anistia crimes políticos cometidos por envolvidos no golpe de Estado que derrubou Zelaya em junho. " A anistia se refere unicamente a crimes políticos", disse Lobo.

 

Zelaya é acusado de 18 crimes entre delitos políticos e comuns. A anistia foi proposta pelo ex-mediador do conflito, o ex-presidente da Costa Rica Oscar Arias. De acordo com a Associated Press, Zelaya recusou a anistia política.

 

Com informações da Agência Efe e da Associated Press

 

Atualizada às 20h para acréscimo de informações

Tudo o que sabemos sobre:
Hondurasgolpe de EstadoZelaya

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.