Após derrota no Senado, Cristina Kirchner diz que não a entendem

A presidente argentina, CristinaFernández de Kirchner, afirmou na quinta-feira que quem nãoentende sua política de defesa de interesses populares aindavai a compreendê-la um dia, em referência ao vice-presidenteque votou contra o governo em uma votação chave no Senado. Na madrugada de quinta-feira, o vice-presidente Julio Cobosdeu o voto decisivo para derrotar no Senado um projeto queelevava os impostos sobre as exportações, em uma medida com aqual a presidente buscava reafirmar seu poder. "Dos que talvez não tenham entendido o que tínhamos dito àspessoas lá em outubro (na campanha presidencial), bem, em algummomento entenderão, alguns demoram mais para entender ascoisas. Esperemos que pelo menos algum dia eles se dêem conta",disse ela em um ato no norte do país, em alusão a Cobos. Cristina não chegou a citar o vice-presidente. Cobos disse após votar contra o governo que não pensa emrenunciar. O objetivo do governo era redistribuir para os mais pobresos recursos vindos da renda maior que os produtores ruraisobtêm com os altos preços internacionais dos grãos. Onze senadores do partido do governo também deram as costasà presidente na votação, que dividiu o país. "Me acompanharam outros que pertencem a outros partidos eme decepcionaram alguns que pertencem ao nosso, mas oimportante (...) é comprovar que argentinos diferentes, comdiferentes histórias, com diferentes capacidades, são capazesde se unir por um projeto comum", acrescentou a presidente. (Reportagem de César Illiano)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.