Após protestos, EUA querem melhorar relações com Bolívia

Milhares protestaram diante da embaixada americana em La Paz contra asilo político de Carlos Sánchez Berzaín

Efe,

09 de junho de 2008 | 21h08

A Embaixada dos Estados Unidos em La Paz anunciou que deseja melhorar as relações de seu país com a Bolívia e lamentou os fatos de violência que aconteceram nas imediações de sua sede no centro da capital boliviana nesta segunda-feira, 9.   Veja também:Milhares protestam na embaixada americana em La Paz Em comunicado à imprensa, a delegação diplomática americana expressa seu reconhecimento ao trabalho dos agentes da Polícia boliviana na defesa de seu edifício, que foi atacado durante um protesto desta sexta, em La Paz. Os agentes dispersaram com gás lacrimogêneo milhares de manifestantes que durante mais de duas horas protestaram contra a Embaixada e tentaram ultrapassar o cordão de segurança com pedras, paus, e um pneu em chamas. Os manifestantes, majoritariamente da cidade de El Alto, protestavam porque esta semana foi divulgado que os EUA concederam há mais de um ano asilo político ao ex-ministro da Defesa Carlos Sánchez Berzaín, acusado de genocídio na Bolívia. Sánchez Berzaín fugiu para os EUA após as revoltas de 2003 nas quais morreram mais de 60 habitantes de El Alto e que acabaram com o segundo governo de Gonzalo Sánchez de Lozada (2002-2003), também foragido no país e acusado de genocídio na Bolívia.

Mais conteúdo sobre:
BolíviaEUAprotestos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.