Arcebispo de Caracas recusa convite para se explicar na Assembleia Nacional

Governo quer que Jorge Urosa dê provas de que Chávez conduz o país a uma ditadura marxista

Efe,

19 de julho de 2010 | 17h55

CARACAS- O arcebispo de Caracas, Jorge Urosa Savino, recusou nesta segunda-feira, 19, o convite da Assembleia Nacional para "apresentar provas" da declaração de que o presidente Hugo Chávez está atropelando a Constituição e levando o país pelo caminho do socialismo marxista. O religioso, no entanto, se disse favorável a um "diálogo sereno e respeitoso".

 

Veja também:

linkBispo venezuelano chama Chávez de 'temerário'

linkChávez insulta cardeal e acirra tensão com a Igreja

 

"Dado o ambiente tenso que caracterizou o debate realizado na sessão da Assembleia de 13 de julho, respeitosamente o recuso (o convite do Parlamento), pois não estão dadas as condições de serenidade necessárias para um diálogo proveitoso", disse Urosa em um comunicado.

 

A tensão entre a Igreja venezuelana e o governo chavista começou em julgo, quando Urosa disse que Chávez estava violando a Constituição ao querer impor uma ditadura comunista no país, ao que o governante respondeu chamando o cardeal de "troglodita" e "indigno".

 

Urosa se disse hoje a favor de "um mecanismo de diálogo sereno e respeitoso" entre os deputados da Assembleia, de maioria governista, e membros do episcopado venezuelano.

 

Para este encontro, o arcebispo de Caracas propões "um espaço institucional fixado de comum acordo, onde haja condições de serenidade para um diálogo proveitoso e no marco do respeito mútuo".

 

Logo após do comunicado de Urosa ter sido divulgado, a presidente da Assembleia, Cilia Flores, chamou de "desculpa" a recusa do cardeal e disse que ele "está convidado muito cordialmente (...). O garantimos toda a segurança e respeito devido".

 

Ontem, em seu programa dominical Alô Presidente, Chávez voltou a condenar Urosa, ao afirmar que por trás do "jogo" do cardeal está um golpe de Estado.

 

Na quarta passada, o líder pediu ao chanceler Nicolás Maduro que revise um convênio com o Vaticano, no qual o Estado concedeu "certos privilégios" à Igreja para o financiamento de obras sociais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.