Argentina aproveita reunião da Unasul para ratificar tratado da organização

País só reconheceu formalmente órgão que lidera desde maio hoje; Brasil também não assinou tratado

estadão.com.br,

29 de julho de 2010 | 20h30

QUITO- O governo da Argentina aproveitou a reunião da Unasul desta quinta-feira, 29, em Quito, que analisa a crise diplomática entra a Colômbia e a Venezuela para entregar à presidência rotativa do organismo o instrumento de ratificação do Tratado Constitutivo da União.

 

Veja também:

linkChanceler de Chávez acusa Colômbia de agredir seus vizinhos

mais imagens Galeria: provas mostradas pela Colômbia na OEA

lista Histórico de tensões entre os dois países

 

Durante a inauguração da reunião, o chanceler argentino, Héctor Timerman, entregou o instrumento que ratifica sua adesão ao Tratado da União de Nações Sul-americanas, documento que foi aprovado pelo Parlamento argentino em 9 de junho.

 

O chanceler equatoriano, Ricardo Patiño, cujo país preside temporariamente o órgão, recordou que, com a Argentina, já são seis os países da região que assinaram o tratado, e incitou que as seis nações restantes - dentre as quais está o Brasil - o façam "o mais rápido possível". O projeto para a ratificação de Brasília do Tratado da Unasul ainda não foi votado pela Câmara.

 

Representantes das chancelarias dos doze países da Unasul estão em reunião hoje em Quito depois do presidente Hugo Chávez ter rompido as relações diplomáticas com Bogotá, após a denúncia do governo de Álvaro Uribe sobre a suposta presença de guerrilheiros em território venezuelano na Organização dos Estados Americanos (OEA).

 

O secretário-geral da Unasul, Néstor Kirchner, é o comandante de uma organização que ainda não foi aprovada formalmente pelos Estados que a constituem, já que o tratado da Unasul não foi ratificado por todos os países que o integram. A própria Argentina liderava um clube do qual não era sócia, já que entregou a ratificação somente hoje.

 

Para entender

 

Estabelecida em 2004, pela declaração de Cuzco, a Unasul busca promover a integração em setores como economia, infraestrutura, diplomacia e defesa. O objetivo final é criar um bloco sul-americano não apenas comercial, mas também político, nos moldes da União Europeia.

 

Leia ainda:

link Colômbia mostra ceticismo antes de reunião da Unasul

linkUribe critica comentários de Lula sobre crise

 

Com agência Efe

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.