Argentina buscará apoio dos vizinhos na questão das Malvinas

Governo disse contar com apoio de 'países-irmãos' que integram Grupo do Rio por soberania do arquipélago

BBC Brasil, BBC

19 de fevereiro de 2010 | 10h03

rta-voz oficial da Argentina para a questão das ilhas Malvinas (chamadas de Falklands pelos britânicos) disse que o país vai buscar apoio internacional dos vizinhos para tentar reverter a exploração de petróleo por parte do Reino Unido no arquipélago.

 

Veja também:

linkReino Unido está preparado para proteger Malvinas, diz Brown 

linkDecreto argentino acirra tensão em torno das Malvinas

"Estou certo de que não haverá problema para coordenar com nossos países irmãos esta decisão tomada pela Argentina", disse o deputado Ruperto Godoy, vice-presidente da Comissão de Relações Exteriores da Câmara dos Deputados.

No próximo fim de semana, os países do Grupo do Rio, que reúne diversos países da América Latina e do Caribe, se reúnem em Cancún, no México, e o deputado disse não ter "a menor dúvida de que a Argentina encontrará solidariedade de todos os países".

O país protesta contra a iniciativa britânica de iniciar a exploração de petróleo na região e convocar licitações sem comunicar a Argentina. A primeira plataforma de exploração, que pertence ao setor privado, deve chegar à ilha nos próximos dias.

"Existe especificamente uma decisão da ONU que diz que as partes têm de se abster de tomar decisões unilaterais que modifiquem a atual situação até que não se discuta e se resolva o tema da soberania deste território", afirmou Godoy.

Como resposta ao que chamou de ação "unilateral" e "agressiva", a Argentina emitiu nesta semana um decreto exigindo que todos os barcos que transitem entre o continente e as Malvinas peçam autorização prévia às autoridades argentinas.

Isso inclui "qualquer barco com material ou mercadoria que tenha a ver com a logística para avançar no processo de exploração", disse o vice-presidente da comissão parlamentar.

O governo argentino também disse que levará o tema à Organização das Nações Unidas (ONU), em uma reunião entre o chanceler do país, Jorge Taiana, e o secretário-geral da organização, Ban Ki-moon.

"O que a Argentina está considerando é uma série de medidas, porque advertimos que pode haver uma violação do direito internacional e das resoluções da ONU", ressaltou Godoy.

Tensões

As disputas entre a Argentina e o Reino Unido envolvendo as ilhas Malvinas, sob controle britânico desde 1833, já foi objeto de uma guerra em 1982, quando os argentinos foram derrotados após tentarem uma invasão.

Na quinta-feira, o primeiro-ministro britânico, Gordon Brown, disse que o país está fazendo "todos os preparativos necessários" para proteger sua soberania sobre sua possessão. 

Brown, porém, disse que não planeja o envio de um reforço militar à região e afirmou que espera que prevaleçam "discussões sensatas" com Buenos Aires. 

O porta-voz argentino Ruperto Godoy disse que seu país quer "sentar para dialogar". "Quero deixar claro que nossas ações serão diplomáticas, de reivindicações, de protestos, mas de maneira alguma pensando em uma possibilidade de confronto com o Reino Unido", afirmou. Godoy acrescentou que uma "relação plena" com a Grã-Bretanha só será possível "a partir da definição de uma questão que hoje está em controvérsia e que aparentemente querem encobrir, a disputa de soberania" sobre as Malvinas/Falklands.

 

BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.