Argentina nega que julgamento do 'Caso da mala' abale governo

Ministro da Justiça argentino questionou a atuação dos promotores norte-americanos no caso e pediu 'verdade'

Efe,

27 de setembro de 2008 | 18h58

As gravações que indicam que os US$ 800 mil do chamado "Caso da Mala" seriam destinados à campanha da atual presidente argentina, Cristina Fernández de Kirchner, não complicam em "nada" a gestão da governante, afirmou neste sábado, 27, o Executivo. "No que complica o Governo? Em nada", disse o ministro da Justiça argentino, Aníbal Fernández, ao ser consultado sobre o julgamento que segue em Miami pelo caso, no qual foram apresentadas como provas gravações em que se dizia que o dinheiro era para a campanha eleitoral de Cristina. Em declarações pelo rádio, o ministro questionou "a forma de atuar dos promotores americanos" no julgamento. Pediu ainda que a Justiça americana demonstre "a verdade e a liberdade" com a autorização da extradição empresário Guido Antonini Wilson, reclamado pela Justiça argentina, e que foi encontrado com a mala em Buenos Aires.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.