Argentina quer ajuda da Venezuela no caso da maleta de dólares

A Argentina pediu na segunda-feiraà Venezuela que tome as medidas necessárias em relação aoescândalo surgido na semana passada, quando um empresáriovenezuelano ingressou em um vôo oficial com funcionários deambos países carregando uma maleta com quase 800 mil dólaresnão declarados. O governo argentino já sofre os resultados do abaloprovocado pelo caso. Na semana passada, demitiu Claudio Uberti,funcionário do Ministério do Planejamento que participava dovôo e que coordenava a visita a Caracas realizada por diretoresdas petrolíferas estatais Enarsa e PDVSA. "O governo nacional adotou com afinco as medidas queestavam a seu alcance com vistas a esclarecer o ocorrido",afirmou o chefe do gabinete de governo da Argentina, AlbertoFernández, à Rádio 10. Fernández disse estar confiante na possibilidade de "osmembros da PDVSA nos ajudarem a descobrir o que aconteceu,adotando as medidas que precisem adotar". No sábado, a PDVSA disse ter dado início a uma investigaçãosobre as circunstâncias que resultaram na aparição de umamaleta com dinheiro em um vôo no qual estavam funcionários daempresa. Meios de comunicação argentinos afirmaram no final desemana que o governo argentino esperava um gesto do presidenteda Venezuela, Hugo Chávez. Uma possibilidade seria a demissãode Diego Uzcáteguy, chefe da empresa de capital mistoEnarsa-PDV criada na Argentina para atuar no setor de energia. O filho de Uzcáteguy também se encontrava no vôo e foiquem, segundo a versão do governo argentino, pediu que entrassena aeronave Guido Alejandro Antonini Wilson, que disse ser odono da maleta quando o avião pousou em Buenos Aires. O caso, que deixou em maus lençóis Julio De Vido, ministrodo Planejamento da Argentina e mão direita do presidente NéstorKirchner, soma-se a outros escândalos recentes envolvendoacusações de corrupção, que vêm prejudicando a imagem dogoverno a menos de três meses das eleições presidenciais nopaís.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.