Argentinos saem às ruas para protestar contra o governo

Milhares de argentinos se concentraram nesta quinta-feira nas principais cidades do país para protestar contra a gestão da presidente Cristina Kirchner, no momento em que o governo aplica fortes restrições à compra de moedas.

Reuters

13 de setembro de 2012 | 22h13

Os manifestantes, convocados através de redes sociais e sem símbolos de partidos políticos, se queixavam principalmente das travas para adquirir dólares, da insegurança urbana e do impulso que membros governistas estariam dando a uma nova reeleição da mandatária.

"É um atropelo contra a propriedade privada, eu posso fazer o que quero com meu dinheiro", disse em Buenos Aires à Reuters Mario Blanco, referindo-se às restrições para comprar dólares que o governo aplica para deter uma fuga de capitais.

A mídia local mostrou multidões que protestavam em cidades como Rosário, Córdoba e Bariloche, além da capital argentina.

Em Buenos Aires, os manifestantes praticamente cobriram a Plaza de Mayo, lugar emblemático para os protestos situado em frente à casa de governo.

Cristina Kirchner foi reeleita em outubro passado com 54 por cento dos votos, graças ao apoio de vastos setores da classe baixa, embora também tenha recebido muitos votos em centros urbanos em que predominam a classe média.

(Reportagem de Nicolás Misculin)

Tudo o que sabemos sobre:
ARGENTINAPROTESTO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.